f R y r
_
f R y r
_

Internet banda larga e seus efeitos na circulação da informação, do conhecimento e da cultura

 


CAROLINA TEIXEIRA RIBEIRO
O artigo traz à tona um dos principais debates relacionados ao conteúdo que trafega pela Internet: a circulação e o compartilhamento de obras protegidas por direitos autorais. Para tanto, é feito um resgate histórico do debate que confronta o advento de novas tecnologias às necessidades de autores e de titulares de direitos de controlar o acesso e o uso das obras. Também são analisadas legislações e projetos de leis dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Espanha, Colômbia e Brasil, de forma a ter um panorama atual e global deste tema na sociedade da informação, em especial a partir do tráfego de dados pelas redes de alta velocidade. Com isso pretende-se contribuir com as discussões acerca do equilíbrio entre o direito à informação, ao conhecimento e à cultura e os direitos de exploração comercial de obras protegidas por direitos autorais. 0


Introdução
Ainfraestrutura e as tecnologias de conexão em banda larga, as políticas de inclusão digital e os novos dispositivos e equipamentos de telecomunicações são meios fundamentais para garantir a circulação cada vez mais ampla de conteúdos pela Internet. Dados, textos, áudio e vídeo, todos convertidos em bits, passam a trafegar de modo descentralizado em larga escala, graças às possibilidades criadas pelas plataformas digitais. Essa nova realidade altera profundamente os hábitos dos cidadãos de produzir e usufruir conteúdos, potencializando a liberdade de expressão, a democracia e ampliando o acesso à informação, ao conhecimento e à cultura. 0

Se por um lado a universalização da banda larga e da comunicação como um direito é o pano de fundo de investimentos em infraestrutura e políticas públicas de acesso de diversos países, por outro o advento e a expansão das redes de alta velocidade têm afetado profundamente a relação entre os diversos serviços de telecomunicações e os modelos de negócio da indústria cultural. Os tradicionais detentores de propriedade intelectual sobre obras audiovisuais, livros e produções fonográficas enfrentam a livre troca de produtos potencializada pelo acesso à Internet banda larga e articulam-se por novas barreiras regulatórias para diminuir a circulação do bem e criminalizar quem viabiliza o acesso ao conhecimento e à cultura protegidos por copyright [1]. O lobby da indústria faz emergir novos tratados internacionais e influencia diretamente os países na formulação de legislações mais duras que responsabilizem servidores de acesso [2] e usuários pela troca não autorizada de arquivos protegidos por direitos autorais. 0

Diante deste contexto, algumas indagações se colocam: como as plataformas digitais têm interferido na tradicional legislação de direito autoral? Que tensões têm se erguido no plano internacional, uma vez que tecnologias como a Internet quase sempre conseguem driblar as fronteiras físicas dos Estados nações contemporâneos? Como os países vêm enfrentando estas questões? 0

Com estas perguntas de fundo, este capítulo está organizado em duas seções subsequentes. Primeiramente, será apresentada uma síntese histórica da relação entre o autor, intermediários da cultura e a circulação de conteúdo, situando a emergência de tratados internacionais até o final do século XX, e culminando com as tensões geradas pela Internet no plano internacional. Com esta base delineada, a segunda seção trará um panorama da legislação sobre o tema dos seguintes países: Estados Unidos, França, Reino Unido, Espanha, Colômbia e Brasil. França, Reino Unido e Espanha estão na relação por serem países que já implementaram mudanças importantes para a proteção dos conteúdos digitais. Os principais marcos normativos e os debates sobre o tema nos Estados Unidos também são investigados pela sua importância estratégica no cenário global e, sobretudo, por ser a nação de grandes conglomerados de mídia e tecnologia profundamente interessados no tema. Por fim, são analisados os casos da Colômbia [3] e do Brasil para se ter um panorama de como as mudanças no cenário internacional têm impactado a América Latina. 0

Direitos autorais e a circulação de conteúdo em perspectiva histórica
Uma das principais celeumas que emergem do tráfego de dados de qualquer espécie pelas redes de alta velocidade é a possibilidade da reprodução e difusão integral ou parcial, além da alteração e comercialização, de um bem cultural. Ilustrações, livros, imagens, vídeos, músicas, poemas, artes gráficas, ou seja, qualquer tipo de conteúdo artístico, antes circunscrito a uma cadeia produtiva fechada e rígida, passa a estar sujeito à ampla disseminação e a inúmeras interferências quando convertido em bits, potencializando a construção colaborativa do conhecimento humano. 0

Com a abolição de fronteiras no mundo virtual e o acelerado processo de globalização, o sonho enciclopedista de reunir todo o conhecimento humano tornou-se possível de maneira inesperada: quem tivesse acesso à rede mundial de computadores poderia ter acesso a praticamente todo o conhecimento humano. Essa foi a expectativa gerada pela internet (Branco e Paranaguá, 2008, p. 4). 0

Na cadeia produtiva do espetáculo ou do entretenimento, o percurso do bem cultural começa com sua criação. A ideia do autor – não importa se escritor, compositor, roteirista ou diretor – precisa tomar forma e se transformar em um produto, seja livro, música ou filme. Na indústria tradicional, entre o autor da obra e o cidadão, que usufrui do bem cultural, há alguns intermediá­rios que garantem o processo de produção, reprodução e distribuição desse bem. Para realizar essa empreitada deve pedir licença ao autor para dar forma à sua proposta (livro, disco ou obra audiovisual) e também para explorá-la economicamente, garantindo assim, em tese, a sustentabilidade do autor, que recebe um percentual pela exploração de sua obra, e a distribuição e usufruto dos bens culturais. 0

Para Dantas (2001), a obra resultante do trabalho artístico é um produto a ser replicado industrialmente, sobre este original incidindo o direito à propriedade intelectual. Quase sempre o artista cederá esse direito à empresa, já que, enquanto aquele cria, esta ocupa de oferecer-lhe os meios de produção (estúdios, equipamentos, arenas etc.) e os meios de veiculação (programação, distribuição) do seu trabalho. Esse quadro, como veremos, começa a mudar com a evolução e facilidade da reprodutibilidade técnica. 0

Do ponto de vista histórico, as questões envolvendo os direitos autorais sempre estiveram, de alguma forma, relacionadas ao advento de novas tecnologias. Ainda no século XV, o surgimento da prensa de Gutemberg (1436) e a invenção do papel (1440) possibilitaram uma ampliação considerável da reprodução de livros em relação ao que existia na época. Assim, a Renascença foi marcada pelo surgimento de uma incipiente “indústria cultural” formada principalmente por impressores e vendedores de livros [4]. Estes já possuíam alguns privilégios junto aos autores, que concediam direitos exclusivos na reprodução e distribuição de material impresso por tempo determinado, porém renovável. 0

Os direitos e privilégios dos editores foram debatidos desde a invenção da prensa até o fim do século XVII, quando passa a ser discutida na Inglaterra uma nova legislação que regulasse essa questão: o Licensing Act, ou Lei de Licenciamento. Em 1664, John Locke escreveu um memorando a um de seus amigos e membros do Parlamento, Edward Clarke, afirmando que: 0

qualquer pessoa ou empresa ter o monopólio de impressão de autores antigos é pouco razoável e prejudicial ao processo de aprendizagem; e àqueles que compram cópias de autores vivos seria razoável que a propriedade sobre as obras fosse limitada a um certo número de anos após a morte do autor (Rose, 2003, p. 78) [5]. 0

Vê-se, portanto, que o embate entre os privilégios concedidos a intermediá­rios e a necessidade do livre acesso à cultura e ao conhecimento não são prerrogativas da era digital. Do embate medieval dos direitos de reprodução, ainda sem nenhum regramento claro sobre quais seriam os direitos de autor, chega-se ao século XVIII com aquele que é considerado o primeiro estatuto de proteção do autor: o Copyright Act, ou Lei dos Direitos Autorais, promulgado em 1719 pela rainha Ana, da Inglaterra. Esta lei transformou o monopólio das antigas editoras em concessões públicas, ou seja, para que pudessem garantir o direito exclusivo sobre a reprodução de uma obra, as empresas deveriam solicitar uma outorga ao Estado para explorar este serviço. Entre os princípios da Lei estava o incentivo ao conhecimento, vinculado ao aumento da necessidade de circulação das obras. Também os direitos sobre exploração comercial da obra ficaram resguardados ao autor durante 21 anos (após esse período a obra passava a ser considerada de domínio público), garantindo a ele a prerrogativa de explorar sozinho ou ceder a terceiros os direitos de exploração por tempo determinado. 0

O interessante desse período é que os editores voltaram várias vezes ao parlamento inglês para reivindicar monopólio perpétuo sobre a obra. Eles queriam garantir, como investidores da reprodução e da venda das publicações, o direito de serem os únicos a explorarem comercialmente e eternamente determinado produto literário. Por fim: 0

Os direitos de cópia ficam então delineados na Inglaterra, em fins do século XVIII, como sendo de titularidade dos autores, classificado como monopólio para fins de regulamentação do comércio, cujo conteúdo era tópico nevrálgico das discussões e decisões, e limitados no tempo, em razão do interesse da coletividade (Rocha, 2003, p. 11). 0

Outros países, como França e Estados Unidos, seguindo o caminho do estatuto inglês de 1710, elaboraram ao longo do século XVIII leis de proteção aos direitos do autor, sempre com limites de prazo para que fosse garantido o acesso ao conhecimento. Porém, somente em 1886 surgiu o primeiro tratado internacional que veio influenciar definitivamente o Brasil e os demais países no estabelecimento de regras relacionadas ao direito do autor (e os consequentes usos e explorações comerciais das obras): a Convenção de Berna. Realizada na Suíça e tendo sua última atualização em Paris (1971), a Convenção teve como propósito central harmonizar as questões relacionadas aos direitos autorais entre os países, já que não havia o reconhecimento dos direitos de autor de determinada nação quando uma obra era publicada no estrangeiro. 0

Atualmente, 162 países, todos membros da Organização Mundial da Propriedade Intelecutal (OMPI), são signatários da Convenção. Ela estabelece o prazo mínimo de 50 anos após a morte do autor como limite da proteção dos seus direitos patrimoniais, sendo 50 anos após a comunicação pública, no caso de obras audiovisuais. Ao mesmo tempo, há flexibilidade para que os países estendam esse prazo. Além do Brasil, outros países como Alemanha, Croácia, Dinamarca, Geórgia, Islândia, Suécia e Suíça estenderam esse prazo para 70 anos. África do Sul, Angola e Canadá mantiveram os 50 anos estabelecidos pela Convenção. Após esse período, as obras caem em domínio público. 0

Outro aspecto importante da Convenção é a previsão de limites e exceções no que toca o direito do autor. Uma delas é permitir que qualquer país obtenha do autor uma licença compulsória, na qual é obrigatório o consentimento para a tradução de obras com finalidades escolares, universitárias e de pesquisa. Outra é flexibilizar ao máximo o direito do autor nos países quando se tratar de obras circunscritas ao âmbito educacional. 0

Em 1994, fruto de um intenso lobby da indústria americana, também foi firmado o acordo TRIPS (Trade Related Aspects of Intellectual Property Rights, ou Tratado sobre os Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual), celebrado no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), que atualmente requer assinatura compulsória do tratado para adesão ao órgão. Assim como na Convenção de Berna, o TRIPS também prevê flexibilizações como a inclusão da previsão genérica de uso razoável das obras protegidas e a incorporação da dicotomia entre ideia e expressão [6]. 0

O grande debate que se faz envolvendo os tratados internacionais e sua recepção pelos países membros da OMC é o quanto a proteção aos direitos autorais, mais especificamente aos direitos patrimoniais, contribui para o desenvolvimento em países pobres. O argumento dos agentes intermediários é que a proteção de direitos garante os investimentos na cultura e a sobrevivência de autores. Já os defensores da flexibilização do direito para alguns usos específicos e da redução do prazo de proteção argumentam que o excesso prejudica o desenvolvimento dos países, uma vez que: 0

em um mundo globalizado, nem sempre o acesso à cultura e aos bens educacionais está à disposição de todos. Disparidades econômicas são um fator crucial nesta questão. Como exemplo, questões de disponibilidade (como obras em si disponíveis, mas apenas para população de um certo nível de renda), obstáculos tecnológicos (a tecnologia necessária para se chegar à obra é inacessível), ou ainda, o isolamento econômico-geográfico dos países em desenvolvimento com relação à disponibilidade de bens informacionais (Branco e Paranaguá, 2007, p. 5). 0

Importante lembrar que outros tratados internacionais, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU e a Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade e das Expressões Culturais da Unesco, também assinados pela maioria dos países, são claros em relação à centralidade do acesso à informação, à cultura e ao conhecimento para o desenvolvimento integral dos cidadãos. Os artigos 26 e 27 da Declaração Universal dos Direitos Humanos asseguram a todo o ser humano o direito à instrução “orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana” e ainda o direito de “participar livremente da vida cultural da humanidade, de fruir as artes e de participar do processo científico e de seus benefícios”. Ainda que cite o direito à proteção dos interesses morais e materiais das produções, fica explícita a relação do desenvolvimento com o acesso à informação e à cultura. 0

A Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade e das Expressões da Unesco também é clara ao mencionar o “princípio da complementaridade dos aspectos econômicos e culturais do desenvolvimento ”, afirmando que “os aspectos culturais são tão importantes quanto os seus aspectos econômicos, e os indivíduos e povos têm o direito fundamental de dele participarem e se beneficiarem” (Art. 2, inciso 5). 0

Novamente, Paranaguá e Branco (2007) apontam que mesmo estando a educação e o acesso à informação colocados entre os direitos fundamentais do homem, nem sempre poderão ser exercidos em virtude de aspectos socioeconômicos ou de legislações ultra restritivas no uso de obras culturais. 0

Este resgate histórico e político do debate aponta que o equilíbrio entre o direito autoral e o acesso ao conhecimento não é uma questão nova. Sempre esteve de alguma forma relacionado com o advento das tecnologias capazes de reproduzir obras artísticas. A burla do mecanismo que permitiu aos intermediários controlar o processo de produção e difusão de um bem cultural tem precedentes com a reprografia (ou fotocópia) de livros data da metade do século XX ou com o surgimento do vídeo cassete ainda na década de 70 popularizando a cópia de bens culturais. A novidade está na escala da cópia propiciada não só pela digitalização do conteúdo e pela Internet, mas também pelo barateamento e pela portabilidade de mídias capazes de armazenar uma quantidade cada vez maior de bits, como discos compactos e pendrives. Esses fatores interferiram sobremaneira no modelo de negócios das indústrias culturais tradicionais e deram início a uma verdadeira guerra entre autores, intermediários e “consumidores” de cultura. 0

Ainda no século XIX, o debate sobre direito autoral sempre esteve em âmbito internacional, com forte lobby da indústria (os já citados intermediários entre autor e o usuário final), influenciando a política interna de cada país. Com a força das novas mídias e seu amplo potencial de tráfego, reprodução e modificação de bens culturais, o equilíbrio entre a remuneração do autor e o acesso ao conhecimento, à cultura e à informação passam a ser uma das principais celeumas do século XXI, colocando em xeque, inclusive, o amplo poder dos intermediários na detenção da titularidade dos direitos patrimoniais sobre as obras. 0

Com a digitalização, a facilidade da reprodução de bens culturais se multiplicou em uma escala de difícil mensuração. Ainda no final do século XX, o surgimento das redes de troca de arquivos ponto a ponto (peer to peer – P2P) deu origem a uma das primeiras brigas jurídicas, veiculada globalmente, entre a indústria cultural e ativistas e desenvolvedores da cultura digital [7]. 0

No início de 2001, dois anos após a sua criação, o Napster – aplicativo de compartilhamento de arquivos em rede criado por Shawn Fanning e Sean Parker [8] – sofreu uma série de ações judiciais contra o compartilhamento das obras protegidas por direitos autorais e fechou. Em seu auge, chegou a ter “25 milhões de usuários cadastrados no mundo todo e 80 milhões de músicas em sua biblioteca” (Muniz, 2011, p. 9). Apesar de sua interrupção, a facilidade em criar programas e sites que propiciavam a troca de arquivos já estava consolidada. A possibilidade de cada usuário copiar e disponibilizar gratuitamente livros, músicas, imagens e obras audiovisuais tornou quase impossível o controle da troca de arquivos pela rede mundial de computadores. Neste contexto, o livre acesso a produtos culturais propiciado pela Internet de alta velocidade passou a ser considerado um grande vilão por parte da indústria cultural. No século XXI, as empressas pressionam para que novos tratados internacionais monitorarem e penalizem esse tipo de prática. 0

Mais recentemente, um novo acordo internacional com amplo escopo buscou responsabilizar usuários e provedores pela violação de direitos autorais na Internet: é o chamado ACTA, sigla em inglês para Anti-Counterfeiting Trade Agreement ou Acordo Comercial Anticontrafação. De acordo com Mello e Souza (2010), suas origens datam de 2004, ano do primeiro Congresso Global de Combate à Contrafação, realizado em Genebra pela Aliança Global de Empresas contra a Contrafação, sediado pela Interpol e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) [9]. Mello e Souza (2010) afirmam que o acordo é acusado de ser pouco transparente, tendo sua versão preliminar divulgada somente em 2011, quando houve vazamento de informações pelo site Wikileaks. Além do “segredo” das negociações, Lemos e Mizukami (2011) apontam que já há fóruns suficientes para tratar da questão no mundo: 0

Esses temas são abordados há anos pela Ompi (Organização Mundial da Propriedade Intelectual) […], pela OMC, que dispõe de normas detalhadas sobre observância da propriedade intelectual, permitindo até a imposição de sanções comerciais contra os países em descumprimento (…). A pergunta que se impõe é: por que então criar um terceiro fórum para tratar da propriedade intelectual no plano internacional? O ACTA prevê em seu texto atual o estabelecimento de uma nova instituição, em paralelo às atuais, para tratar da matéria de forma autônoma. O que surpreende não é a estratégia de esvaziamento dos fóruns já existentes, em que a presença da comunidade internacional é historicamente consolidada. É a clareza com que surge essa tentativa, que se traduz no fato de que os grandes países-alvo do acordo (como Índia, Rússia, China e Brasil), inseridos com frequência nas listas de “países piratas” elaboradas unilateralmente por países desenvolvidos, não façam parte das negociações (p. 11). 0

Até 2012, dentre os países que negociavam o acordo estavam Canadá, Japão, Suíça, Estados Unidos, Austrália, Emirados Árabes, Jordânia, México, Marrocos, Nova Zelândia, República da Coreia e Cingapura. Em matéria publicada pela Reuters e divulgada pelo Estado de São Paulo, no dia 4 de maio de 2012, a comissária para assuntos digitais da União Europeia (UE), Neelie Kroes, acreditava que “o tratado internacional para a proteção de direitos autorais contra a pirataria não chegará a entrar em vigor após os protestos em todo o mundo, que provocaram um reposicionamento por parte dos políticos”. Em 4 de julho de 2012, o Parlamento da União Europeia votou contra a ACTA. O argumento é que seria preciso ouvir a Corte de Justiça Europeia (European Court of Justice a fim de verificar se o tratado não fere alguns dos direitos fundamentais dos cidadãos europeus, devendo-se tratar o tema com cautela. [10] 0

Leis mais restritivas tornariam mais rápidas e fáceis a prisão de proprietários de sites de compartilhamento, como ocorreu em 2012 com Kim Schmitz, fundador de um dos maiores sites de compartilhamento de arquivos do mundo: o Megaupload. Schmitz e outros executivos foram acusados de gerar mais de US$ 500 milhões em prejuízo por facilitar a pirataria. 0

Outras judicializações tenderam pela repressão aos portais de compartilhamento, conforme relata Pereira (2010): 0

Na decisão de 26 de novembro de 2008, o Supremo Tribunal de Justiça da Dinamarca condenou o site ThePirateBay por compartipação na violação de direito autoral ao oferecer torrents que permitem o download P2P de conteúdos protegidos pelo direito autoral. Por seu turno, na Alemanha, o Bundesgerichtshof (BGH) decidiu em 15 de janeiro de 2009 que a distribuição de software de partilha de ficheiros que pode ser usado para fins tanto lícitos como ilícitos viola os direitos autorais quando o distribuidor aponta directamente nos seus anúncios para os usos directamente infractores aos direitos autorais. Além disso, o Rechtbank Utrecht na decisão de 26 de agosto de 2009, ordenou ao site Mininova.org remover todos ficheiros BitTorrents relativos a conteúdos protegidos alojados no servidor, uma vez que incitava os utilizadores a violarem os direitos autorais, retirando vantagens económicas dessa actividade (no caso, receitas publicitárias). Finalmente, o Rechtbank Amsterdam, na decisão de 22 de outubro de 2009, deferiu uma providência cautelar contra o site ThePirateBay por, daí extraindo vantagens económicas, por incitar seus utilizadores a violarem direitos autorais ao fornecer um index de ficheiros BitTorrents que podem ser usados para reprodução de conteúdos protegidos pelo direito autoral sem autorização dos titulares de direitos” (p. 102). 0

A pressão da indústria cultural também gerou judicializações no Brasil, como foi o caso do Escritório de Arrecadação e Distribuição de Direitos Autorais (ECAD) que notificou blogueiros brasileiros que divulgaram vídeos protegidos publicados no YouTube. 0

Internet, direitos autorais e regulação nacional
Após a contextualização histórica do debate envolvendo direitos autorais e o advento de novas tecnologias, em especial a Internet, passamos agora a analisar a forma como alguns países têm tratado a questão. Serão discutidos os seguintes casos: Estados Unidos, França, Reino Unido, Espanha, Colômbia e Brasil. 0

Antes de tratar cada um desses países, importante notar que esta discussão se desenvolve levando-se em conta a tendência dos diversos países em ampliar suas infraestruturas de tráfego de dados em redes de alta velocidade. Algo que tende a reverberar ainda mais no debate sobre direitos de autores e compartilhamento, pois aumenta robustamente a possibilidade de troca e circulação de conteúdo digital multimídia em escala global (como vídeos, músicas, filmes, livros etc.). 0

 

Estados Unidos
Nos Estados Unidos, desde 1998 há uma lei chamada Digital Millennium Copyright Act (DMCA) ou Lei do Direito Autoral na Era Digital. A lei incorpora dois tratados da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI): o Copyright Treaty ou Tratado de Direito Autoral e o Performances and Phonograms Treaty ou Tratado sobre Performaces e Fonogramas, e traz algumas inovações relacionadas ao ambiente digital. 0

Além dos ajustes na legislação norte-americana para a recepção dos dois tratados firmados na OMPI, a lei inseriu duas novas proibições no U.S. Code [11]: a de vetar violações às medidas tecnológicas utilizadas pelos proprietários de direitos autorais para proteger as suas obras; e a proibição de adulteração de informações relativas ao gerenciamento de direitos autorais[12]. As medidas tecnológicas estão relacionadas tanto ao acesso quanto à cópia de conteúdo protegido. De acordo com documento elaborado pelo Escritório de Direitos Autorais dos Estados Unidos [13], a distinção é necessária para: 0

assegurar que o público tenha contínua capacidade de fazer o justo uso de trabalhos protegidos por direitos autorais: Se copiar um trabalho pode ser um uso justo em circunstâncias apropriadas, a seção 1201 [do DCMA] não proíbe o ato de driblar uma medida tecnológica que previne a cópia. Por outro lado, já que a doutrina do uso justo não é uma defesa do ato de obter acesso não autorizado a um trabalho, a ação de fraudar uma medida tecnológica com objetivo de obter acesso é proibida (U.S. Copyright Office Summary, 1998, p. 4) [14]. 0

A violação dos mecanismos técnicos que protegem os direitos autorais é considerada infração no âmbito civil e crime. Os acusados de quebrar essas proteções para ganho financeiro podem pagar multa de até US$ 500 mil ou pena de prisão de até cinco anos se forem réus primários e US$ 1 milhão ou até 10 anos de prisão se forem reincidentes. Bibliotecas, arquivos e instituições de ensino são isentos de responsabilidade criminal.

Considerando o DMCA insuficiente, em 2011, o Senado e o Congresso americano debateram dois projetos de lei que preencheriam lacunas deixadas pela legislação em vigor. Schecter (2012) afirma que o DMCA “não protege os detentores de direitos de sites providos ou criados no estrangeiro” que veiculam conteúdos protegidos sem autorização. Ele avalia que o Stop Online Piracy Act (SOPA), ou Ato pelo fim da Pirataria On-line, apresentado no Congresso, e “seu irmão com conteúdo mais restrito”, o Protect Intellectual Property Act (PIPA) – apresentado no Senado – tinham como objetivo ampliar o escopo do DMCA. Como explica o autor: 0

O coração do projeto [SOPA] – e toda a controvérsia – está nas seções 102 e 103. Na seção 102, o procurador geral é autorizado a entrar com uma ação contra um contraventor estrangeiro, definido como um site “direcionado” a usuários americanos, e operado de forma similar a se fosse um site nacional. O procurador pode conseguir uma ordem judicial requerendo: Que os servidores de acesso previnam os assinantes de utilizarem sites estrangeiros que violam direitos autorais; Que ferramentas de busca parem de exibir o nome de um site estrangeiro que viola direitos autorais em resposta às solicitações de usuários; Que servidores de pagamento on-line parem de efetuar transações relacionadas a sites estrangeiros que veiculem conteúdo protegido sem autorização e; Que serviços de publicidade na Internet parem de promover anúncios para sites categorizados como infratores, inclusive de receber e prover qualquer compensação (Schecter, 2012, p. 7) [15]. 0

Uma organização americana de defesa da liberdade na Internet – Fight for the Future – divulgou um vídeo [16] em que acusa os projetos de permitir que empresas privadas sejam capazes de derrubar sites não autorizados, onde pessoas baixam conteúdos diversos, o que é confirmado pela seção 103 do SOPA, que autoriza qualquer empresa detentora de direitos autorais a entrar com uma ação contra sites estrangeiros “infratores”. No vídeo, a entidade defende que os projetos “destruirão novas iniciativas, pois permitirão às grandes corporações processar sites em que os filtros não estejam sendo feitos de forma eficiente, levando à falência novas ferramentas de pesquisa e sites de mídias sociais”. Também acusam o PIPA de ter uma redação ambígua que transforma potenciais sites inovadores em “paraíso da pirataria para o juiz errado”, ou seja, um juiz pode interpretar uma inovação como violação. Por fim, eles acusam os projetos de permitir que o governo e empresas bloqueiem sites nacionais ou estrangeiros apenas por um link infrator, responsabilizando provedores de conteúdo por tudo que é publicado em seus sites. Além disso, afirmam que “usuários poderiam pegar até cinco anos de prisão por postarem qualquer trabalho protegido por copyright”. 0

Diante da votação das duas propostas de lei pelo Congresso estadunidense, ativistas pela liberdade de expressão, blogs e importantes empresas de Internet realizaram uma grande mobilização contra os dois projetos no dia 18 de janeiro de 2012. O Wikipedia ficou 24 horas fora do ar exibindo em sua página inicial a mensagem: “Por mais de uma década, nós gastamos milhões de horas construindo a maior enciclopédia da história humana. Agora, o Congresso dos EUA está considerando uma legislação que poderia prejudicar a Internet livre e aberta. Por 24 horas, para aumentar a conscientização, estamos tirando a Wikipedia do ar”. 0

Google e Facebook, dois dos maiores gigantes da Internet no mundo, também protestaram com mensagens em suas páginas e um convite aos cidadãos americanos para participarem de um abaixo-assinado. “Diga ao Congresso que não censure a Internet”, postou o Google, que também inseriu uma tarja preta em sua marca nesse dia. Mark Zuckerberg [17] escreveu que “a Internet é a ferramenta mais poderosa que temos para criar um mundo mais aberto e conectado. Não podemos deixar que as leis pouco pensadas fiquem no caminho do desenvolvimento da Internet. Facebook se opõe ao SOPA e ao PIPA e continuaremos a nos opor a todas as leis que irão prejudicar a Internet”. 0

Também deixaram manifestações em suas páginas principais o Mozzila Firefox; o site de hospedagem de blogs WordPress e o Twitpic, que compartilha imagens no Twitter. Outros milhões de ativistas pelo mundo e, principalmente nos Estados Unidos, manifestaram-se contra as propostas. Após a onda de protestos, ambos os projetos foram retirados de pauta e não há previsão para serem votados. 0

 

França
Um dos primeiros países no mundo a apertar o cerco contra o acesso e compartilhamento de conteúdo digital protegido por direitos autorais foi a França. A Lei Hadopi foi aprovada em outubro de 2010, após dois anos de debate na Assembleia Nacional e no Conselho Constitucional francês. Os principais aspectos dessa normativa são: 0

a) Criação de uma agência governamental chamada “Haute Autorité pour la Diffusion des Ouvres et des Droits de Protection la sur Internet”, ou alta autoridade para a transmissão de obras criativas e proteção de direitos autorais na Internet; 0

b) Após queixa de um detentor de direitos, permite notificar por e-mail um assinante que tenha acessado ou baixado um conteúdo protegido sem autorização. Nessa primeira notificação o assinante não é identificado, mas passa a ser monitorado pela empresa provedora do serviço. Se houver reincidência nos próximos seis meses, os provedores de acesso são obrigados a fornecer ao governo a identidade e o endereço do usuário, que é advertido por carta. Se houver terceira reincidência, o assinante perde a conexão e é multado. 0

 

Na avaliação de Pereira (2010), na prática esta lei impõe ao titular da conta de acesso à Internet um dever de vigilância da sua utilização, que se traduzirá provavelmente na instalação de software de monitoramento e filtragem de conteúdo: 0

Além disso, sujeita a navegação na Internet a um controle administrativo, instituindo uma espécie de ‘polícia da internet’ […] sem poderes de investigação, cabendo aos titulares de direitos proceder com a recolha de dados que indiciem ou comprovem utilizações ilícitas, o que previsivelmente farão com recurso a detetives privados electrônicos (sworn agents). Por outro lado, a lei acarreta sobre o titular da conta de acesso uma presunção de culpa relativamente aos ilícitos de direitos autorais que sejam cometidos por seu intermédio. Finalmente, estabelece a ‘pena’ de exclusão temporária (suspensão) da rede aos titulares de conta que não tomem medidas de segurança da sua conta após terem já recebido por duas vezes avisos para o efeito. A suspensão do acesso à Internet tem que ser ordenada (p. 103). 0

Apesar das manifestações e campanha de ativistas e associações de consumidores contra a lei, ela segue em vigor. Um estudo feito pela Marsouin, no Centro de Pesquisas em Economia e Negócios (Centre de Recherche en Économie et Management) da Universidade de Rennes[18], apresentou uma primeira avaliação sobre os efeitos da lei na prática dos internautas que utilizam ou utilizavam a rede P2P para o compartilhamento de arquivos protegidos por direitos autorais. Entre as conclusões principais estão: 0

Apenas 15% dos usuários de Internet que faziam dowload de arquivos por meio das redes Peer-to-Peer deixaram de fazê-lo após a aprovação da lei Hadopi; Entre os ex-downloaders, apenas 1/3 abandonou qualquer forma de pirataria. Os demais passaram a realizar atividades alternativas como streaming ilegais ou por meio de sites que disponibilizam esses conteúdos; Embora o número de usuários que utilizam as redes Peer-to-Peer tenha diminuído, o número de “piratas digitais” aumentou ligeiramente desde a aprovação da lei Hadopi; Entre os usuários da Internet que continuam a baixar, mesmo em Peer-to-Peer, 25% deles disseram que haviam mudado suas práticas de pirataria com a aprovação da lei Hadopi; Finalmente, os “piratas digitais” são encontrados para a metade dos casos, também compradores digitais (compra de música ou vídeo através da Internet). Cortar usuários da Internet Peer-to-Peer poderia potencialmente reduzir o tamanho do mercado para os conteúdos culturais digitais em 27%. A extensão da lei Hadopi para todas as formas de pirataria digital exclui a metade dos compradores potenciais do mercado de conteúdo cultural digital (p. 1) [19]. 0

Assim, embora alguns dados demonstrem uma redução nos downloads ilegais de conteúdos protegidos por direitos autorais, ainda não é clara a efetividade de uma lei que penaliza o usuário que quer consumir cultura. 0

 

Reino Unido
Sancionada em abril de 2010, o Digital Economy Act (DEA) ou Lei da Economia Digital do Reino Unido, possui escopo amplo, incidindo não só sobre as violações on-line de direitos autorais e as respectivas sanções, como também regulando o registro de domínios. 0

A lei britânica acompanha os pressupostos da lei francesa, colocando o provedor de acesso como um intermediário chave na relação entre os titulares dos detentores de direitos e os chamados “piratas” na rede. Seus mecanismos de prevenção da pirataria on-line se aplicam da seguinte forma: 0

a)   Caso o detentor de direitos detecte que um assinante violou os direitos autorais de determinada obra ou permitiu que terceiros violem, o mesmo envia ao provedor de acesso um Copyright Infringement Report (CIR) ou Relatório de Violação de Direitos Autorais, contendo o nome do detentor de direitos e o endereço de IP que supostamente tenha infringido os direitos autorais, data e descrição do fato com o máximo de evidências sobre o ocorrido. Se os pré-requisitos do relatório não forem preenchidos, o provedor pode recusar o recebimento da notificação. 0

b) O provedor de acesso, a partir do número do IP, identifica o assinante e o notifica em relação às infrações. 0

c)   Após a terceira notificação, intercaladas em prazos de um mês, o provedor de acesso deve enviar ao detentor de direitos uma Copyright Infringement List (CIL) ou uma Lista de Violação de Direitos Autorais, contendo a relação entre as solicitações constantes no CIR. Não é permitida a identificação dos assinantes, embora a lista de IPs e a CIL possam ser utilizadas para que o detentor de direitos consiga uma ordem judicial para identificar todos os usuários. 0

d) O Ofcom, o órgão regulador das comunicações e telecomunicações no Reino Unido, deve enviar ao Secretário de Estado relatórios trimestrais e anuais para se manter informado sobre a efetividade do sistema. 0

e) O Secretário de Estado poderá requerer que o Ofcom force os provedores de acesso a tomarem medidas técnicas em relação aos usuários, tais como a redução da velocidade de conexão até a sua suspensão completa. 0

f)   O Ofcom poderá aplicar multas de até 250 mil libras a provedores de acesso ou detentores de direitos que descumprirem as obrigações previstas na lei. 0

 

Para Mckeown (2010), leis como o DEA, por ele classificadas como sistemas de responsabilização graduada em infrações on-line, são profundamente frágeis e cheias de problemas que justificariam revogá-las imediatamente. Ele defende que não há efetividade em sua aplicação e o máximo que consegue alcançar é “mandar um recado”. “Mesmo que de alguma forma o sistema se mostre efetivo é manifestamente injusto com provedores de acesso e usuários” (p. 1). O autor aponta três problemas centrais que comprometem a efetividade da lei. O primeiro deles é que assinantes podem ser acusados injustamente de terem violado direitos autorais sem sequer terem conhecimento desse fato: 0

A verdadeira questão com a proposta tal como ela é apresentada é se o auditor que fará a verificação da infração terá elementos suficientes para julgar os métodos empregados e se haverá tempo hábil de assegurar esse controle antes do envio dos CIRs. O mesmo acontece em relação ao procedimento de associar o endereço de IP ao usuário. Sem que haja ao menos requisitos específicos para o auditor, permanece grave risco de erro (p. 17) [20]. 0

A segunda questão apontada por Mckeown é que a notificação a ser enviada por e-mail ao assinante pode simplesmente não chegar. Por fim, o autor suspeita que todo o procedimento não garantirá que os detentores de direito entrem com ações civis contra os usuários que fazem downloads ilegais. 0

As reações no Reino Unido também ocorreram. Organizações sociais que defendem os direitos dos consumidores e a privacidade na rede publicaram um abaixo-assinado contra a lei que reuniu 35 mil pessoas e levantaram cerca de 20 mil libras em doações para financiar anúncios em jornais contra o projeto. O segundo maior provedor de Internet da Grã-Bretanha, TalkTalk, e também a British Telecom manifestaram-se contrários. Ambas foram à justiça questionar a lei em relação aos aspectos de privacidade, mas perderam. 0

Os custos de implementação da nova lei foram divulgados pelo Ofcom, sendo apontado o valor de 1,8 milhão de libras em 2011. Outros 4 milhões de libras estavam previstos para 2012. 0

 

Espanha
AEspanha é mais um país europeu que apertou o cerco a favor dos detentores de direitos autorais. Neste sentido, o principal instrumento espanhol foi aprovado em 30 de dezembro de 2011 e está em vigor desde março de 2012: é a denominada Ley Sinde-Wert [21], ou Lei Sinde. Documentos vazados pelo Wikileaks apontam que a criação da lei tem relação com a pressão dos Estados Unidos pela sua implementação, sob ameaça de inclusão da Espanha no Relatório Especial 301 da International Intellectual Property Alliance – IIPA (Aliança Internacional de Propriedade Intelectual) [22]. 0

De acordo com a Lei Sinde, uma comissão de propriedade intelectual, órgão colegiado vinculado ao Ministério da Cultura, analisará as “denúncias” de detentores de direitos autorais em relação a sites que disponibilizem, sem autorização, conteúdos protegidos. A comissão pode decidir medidas contra os provedores de conteúdo e acesso. A decisão da comissão é avaliada por um juiz, que tem dez dias para avalizar a sentença. Caso seja identificada a violação, o site deve ser retirado do ar pelos provedores de acesso em 24 horas. 0

Em artigo publicado [23]na página da organização não governamental americana Eletronic Frontier Foundation (EFF – autointitulada uma entidade de defesa dos direitos dos cidadãos no mundo digital), Maira Sutton afirma que a nova lei obriga provedores de acesso a tomarem medidas que bloqueiem conteú­dos e derrubem sites, contendo ainda dispositivos preocupantes em relação à privacidade, já que permite a identificação dos “suspeitos” de cometerem violações de direitos autorais. Sutton também acusa o governo americano de coagir o governo espanhol por não ter aplicado totalmente a lei. 0

[A denúncia] revela como o embaixador americano constrangeu oficiais espanhóis (…). A carta diz: “O governo infelizmente fracassou na finalização do trabalho por razões políticas, em detrimento da reputação e da economia da Espanha. Eu incentivo o governo da Espanha a implementar imediatamente a Lei Sinde para salvaguardar a reputação da Espanha como um país inovador que faz o que diz que vai fazer e como um país que gera confiança” [24]. 0

Toda a tramitação da lei, iniciada em 2009, ocorreu acompanhada de protestos. Em dezembro de 2009 foi lançado o Manifesto em Defesa dos Direitos Fundamentais da Internet, republicado em mais de 50 mil blogs na Espanha. Marquez e Lima (2011) apontam as manifestações contrárias à Lei Sinde como um dos eventos responsáveis pela chamada #spanishrevolution que mobilizou mais de 130 mil pessoas de 60 cidades espanholas a irem às ruas protestar contra a redução dos benefícios sociais e o desemprego no país. Um movimento apelidado de 15-M, que faz menção ao dia da primeira manifestação (15 de maio), também foi impulsionado graças a Lei Sinde. 0

 

Colômbia
AComissão Interministerial da Propriedade Intelectual, criada na Colômbia a partir do Decreto 1.162/10, em abril de 2011, por meio do ministro do interior e da justiça Germán Vargas Lleras, apresentou ao Congresso um projeto de lei que propôs a regulação das infrações de direito autoral na Internet, em especial a definição da responsabilidade dos provedores de acesso e de conteúdo. Em novembro de 2011, o projeto, que ficou conhecido como Ley Lleras, foi arquivado, com um discurso enfático do presidente do Senado, Juan Manuel Corzo, afirmando que havia encerrado uma “lei que iria censurar a liberdade de imprensa, dos meios de comunicação, dos tuiteiros e internautas da Colômbia”. 0

Porém, em março de 2012, uma nova versão da lei, apelidada como Ley Lleras 2.0, foi apresentada pelo governo com o objetivo de reformar a atual legislação sobre direitos autorais no país. Aprovada em 13 de abril de 2012, a Lei 1.520 deixa claro em seu objeto a resposta a uma demanda americana: 0

Artigo 1º – Objeto. Implementar compromissos adquiridos pela República da Colômbia em virtude do Acordo de Promoção Comercial com os Estados Unidos da América, suas cartas adjuntas e seus entendimentos, subscritos em 22 de novembro de 2006, em Washington, e o Protocolo Modificador do Acordo de Promoção Comercial com os Estados Unidos da América, firmado em Washington, em 28 de junho de 2007, e a carta adjunta da mesma data, aprovados pelo Congresso da República da Colômbia mediante a Lei 1.143 de 4 de julho de 2007 e Lei 1.166, de 21 de novembro de 2007, respectivamente [25]. 0

As alterações no Código Penal colombiano são os aspectos que mais chamam atenção. Pela nova redação, a violação de direitos patrimoniais do autor e direitos conexos pode ocasionar entre quatro e oito anos de prisão e multa de vinte e seis a mil salários mínimos para quem sem autorização prévia reproduzir, veicular, exibir, comercializar, disponibilizar ou retransmitir obras protegidas. 0

Com a aprovação do projeto, o grupo Anonymous reagiu e atacou várias páginas do governo colombiano, tais como Governo Online, Presidência da República, Vice-presidência, Ministério do Interior e Comércio, Câmara de Representantes e Senado tiveram acesso negado pelo bloqueio dos ciberativistas. 0

 

Brasil
Desde 1998, a lei 9.610 regulamenta os direitos autorais no Brasil. Nela, não há menção específica sobre a violação de conteúdos protegidos no ambiente digital e, pelo menos até 2012, o país ainda não possuía de um marco regulatório que abarque e dê conta de pacificar dúvidas e conflitos decorrentes do debate entre a proteção dos direitos de autor e a circulação de conteúdo na Internet. 0

A ausência de uma legislação específica, porém, não significa que este debate não esteja colocado no país. Desde 2006 está em discussão uma proposta de reforma na lei de direitos autorais. Em agosto de 2011, chegou ao Congresso Nacional um projeto de lei do Executivo cujo objetivo central é “estabelecer princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil”. Conhecido como Marco Civil da Internet, o projeto tramita com inovações interessantes como a realização de seminários regionais em todo o Brasil para debate do tema e uma página específica para os cidadãos assistirem e interagirem com as atividades relacionadas ao projeto [26].

Também foi aprovado na Câmara, em 15 de maio, o projeto de Lei 2.793/11, que “dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos e dá outras providências” e segue para votação no Senado. Embora as duas legislações em debate no parlamento tenham como foco a Internet e sejam de extrema importância para regulamentar direitos, deveres e responsabilizações no ambiente digital, envolvendo temas como crimes na Internet, liberdade de expressão, acesso à informação, anonimato e privacidade na rede, nenhuma delas toca na questão do direito autoral. Portanto, neste tópico dedicaremos especial atenção ao debate sobre a reforma da lei de direitos autorais que foi “congelada” no mandato da presidente Dilma Rousseff com a nomeação de Ana de Hollanda como ministra da cultura. 0

Desde dezembro de 2007, por iniciativa do Ministério da Cultura, foi criado o Fórum Nacional de Direitos Autorais, que organizou congressos, seminários e oficinas promovidos e apoiados por diversos coletivos envolvidos com a temática. Entre julho e agosto de 2010, o Ministério da Cultura abriu uma consulta pública que, em dois meses, recebeu mais de 8 mil manifestações da sociedade. 0

Uma nova consulta pública, já sob a gestão da presidente Dilma Rousseff e da ministra da cultura Ana de Hollanda, foi aberta em abril de 2011, sem que as contribuições da consulta anterior fossem consideradas. A versão consolidada foi aprovada pelo Grupo Interministerial de Propriedade Intelectual, integrado por 11 ministérios, e remetida à Casa Civil em outubro de 2011. Até junho de 2012, não foi apresentado um projeto de lei. 0

Desde março de 2012, tramita na Câmara dos Deputados o projeto de Lei 3.133/12, que “altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais (…) a fim de atualizar as disposições sobre direitos autorais, adaptando-os às tecnologias digitais”. Já no segundo artigo da proposta fica explícita a intenção do legislador de buscar um maior equilíbrio entre os direitos do autor e o acesso à informação e cultura, alterando o disposto na atual legislação para: 0

Art. 1.º Esta Lei regula os direitos autorais, entendendo-se sob esta denominação os direitos de autor e os que lhes são conexos, e orienta-se pelo equilíbrio entre os ditames constitucionais de proteção aos direitos autorais, de garantia ao pleno exercício dos direitos culturais e dos demais direitos fundamentais e pela promoção do desenvolvimento nacional. Parágrafo único. A proteção dos direitos autorais deve ser aplicada em harmonia com os princípios e normas relativos à livre iniciativa, à defesa da concorrência e à defesa do consumidor. 0

A proposta também acrescenta dez aspectos do que “não constitui ofensa aos direitos autorais na utilização de obras protegidas”, acrescentando que dispensa-se, inclusive, “a prévia e expressa autorização do titular e a necessidade de remuneração por parte de quem as utiliza”. Entre eles estão a possibilidade de cópia individual para uso privado e não comercial; a reprodução de qualquer obra legalmente adquirida “quando destinada a garantir a sua portabilidade ou interoperabilidade, para uso privado e não comercial”; “a reprodução necessária à conservação, preservação e arquivamento de conteúdo on-line publicamente disponível em websites, sem finalidade comercial, realizada por bibliotecas, arquivos, centros de documentação, museus, cinematecas e demais instituições museológicas, na medida justificada para atender aos seus fins”. Os incisos XVI e VXIII da proposta de redação do artigo 46 também apresentam aspectos novos entre os usos que não configuram violação de direitos autorais: 0

XVI – a representação teatral, a recitação ou declamação, a exibição audiovisual e a execução musical, desde que não tenham intuito de lucro, que o público possa assistir de forma gratuita e que ocorram na medida justificada para o fim a se atingir e nas seguintes hipóteses: 0

a) para fins exclusivamente didáticos; b) com finalidade de difusão cultural e multiplicação de público, formação de opinião ou debate, por associações cineclubistas, assim reconhecidas; c) estritamente no interior dos templos religiosos e exclusivamente no decorrer de atividades litúrgicas; ou d) para fins de reabilitação ou terapia, em unidades de internação médica que prestem este serviço de forma gratuita, ou em unidades prisionais, inclusive de caráter socioeducativas; 0

XVIII – a reprodução, sem finalidade comercial, de obra literária, fonograma ou obra audiovisual, cuja última publicação não estiver mais disponível para venda, pelo responsável por sua exploração econômica, e em meio físico ou digital, ou quando a quantidade de exemplares disponíveis for insuficiente para atender à demanda do mercado. §1.º As bibliotecas poderão colocar obras de seu acervo à disposição para empréstimo a usuários associados, por qualquer meio ou processo. §2.º Além dos casos previstos expressamente neste artigo, também não constitui ofensa aos direitos autorais à reprodução, distribuição e comunicação ao público de obras protegidas, dispensando-se, inclusive, a prévia e expressa autorização do titular e a necessidade de remuneração por parte de quem as utiliza, quando essa utilização for: I – para fins educacionais, didáticos, informativos, de pesquisa ou para uso como recurso criativo; e II – feita na medida justificada para o fim a se atingir, sem prejudicar a exploração normal da obra utilizada e nem causar prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores. 0

O projeto, ao contrário do que aconteceu nos demais países analisados neste artigo, não propõe responsabilização dos provedores de acesso e dos usuários; ao contrário, amplia as possibilidades de acesso a conteúdos protegidos, desde que utilizados de forma privada, sem fins lucrativos ou para fins educacionais, didáticos e de pesquisa. Até junho de 2012, ele estava sob apreciação da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. 0

Considerações finais
Este capítulo teve como objetivo discutir a relação entre Internet, intermediários da cultura e circulação de conteúdo no âmbito das plataformas digitais de comunicação. No decorrer da análise, é possível perceber que o advento de novas tecnologias de reprodução sempre acarretará em demandas dos detentores de direitos autorais em criar mecanismos que os favoreçam na arrecadação de renda com a exploração comercial da obra. Porém, como é um tema que envolve informação, conhecimento e cultura, essa necessidade – legítima se voltada à remuneração dos autores e ao investimento na economia criativa – deve estar sempre contrabalanceada aos interesses da sociedade para que seja ampliado o acesso e as possibilidades de desenvolvimento criativo e econômico advindo das trocas culturais. 0

No ambiente digital, tanto as inovações e novos modelos de negócios da indústria quanto a possibilidade do acesso à informação, à cultura e ao conhecimento ganham dimensões novas e potentes. Porém, a regulação da Internet para a proteção dos direitos autorais nos países analisados acaba por promover pouca inovação nos modelos de negócios culturais, transformando intermediários como prestadores de serviços de acesso em verdadeiros cães de guarda, permitindo injustiças, violações de privacidade e transformando usuários que fazem cópias não autorizadas em criminosos suscetíveis à prisão. 0

Por outro lado, a simples flexibilização dos direitos autorais ou a livre circulação de bens culturais na rede, sem qualquer medida que garanta a remuneração dos autores e a inovação da economia criativa, também não resolve os desafios a serem enfrentados para garantir a sustentabilidade do setor. O que se vê, infelizmente, é uma indústria disposta a brigar pela garantia da sua remuneração, às custas inclusive da criminalização de uma potencial clientela, e pouco afeita a pensar novos modelos de negócios que tornem seus produtos mais acessíveis a uma maior parcela da população. 0

Nesse sentido, há uma movimentação clara das entidades ligadas à propriedade intelectual norte-americana, com forte incidência no governo e na diplomacia estadunidense, de forma a influenciar e até mesmo coagir países parceiros a aprovarem leis que punem e restringem o acesso não autorizado a conteúdos protegidos. Em comum, as propostas imputam ao provedor de acesso uma grande responsabilidade no monitoramento dos usuários, de forma bastante discricionária e abrindo um precedente para a violação sistemática da privacidade. As leis também coincidem na dura punição a provedores e usuá­rios, com multas e penas de prisão que não se justificam pelo ato de acessar ou reproduzir um conteúdo protegido por direitos autorais. 0

O risco desse tipo de projeto de lei vai além da violação de privacidade. O intenso monitoramento sugerido por eles gera um clima de vigilância permanente que afeta direta e indiretamente a liberdade de expressão. Quem pode assegurar que nenhuma arbitrariedade será cometida por uma autoridade que sente seu poder ameaçado por um blog opositor, por exemplo? Pode-se mencionar ainda a autocensura decorrente do medo de ter sua conexão reduzida ou suspensa por alguma medida técnica autorizada pelas autoridades competentes. 0

Outro fator preocupante é o impacto de uma legislação nacional que prevê interferência em sites estrangeiros. Como a Internet é por princípio um espaço mundial, qualquer legislação que interfira no tráfego de conteúdos, seja restringindo tecnicamente as possibilidades de acesso, seja monitorando conteúdos, impactará globalmente toda a troca de informações que acontece no mundo. Por mais que as mobilizações sociais contra leis restritivas tenham sido fortes e massivas, Estado e corporações seguem a passos largos para transformar o ambiente digital em um espaço controlado e vigiado, limitado em suas possibilidades. 0

Por fim, em relação ao caso brasileiro, os modelos de regulação adotados pelos demais países servem de alerta para as propostas que venham a ser debatidas aqui. Deve-se louvar que o principal projeto de lei debatido hoje no país – o Marco Civil da Internet – prime por estabelecer princípios, direitos e deveres para a garantia de um ambiente digital livre, democrático e criativo. 0

Porém, em algum momento essa questão terá de ser enfrentada. O Brasil conseguirá fazer diferente? Conseguirá chegar a uma proposta inovadora e equilibrada? A aposta é que à luz do interesse público, pela observação das experiências internacionais, pela riqueza dos debates internos e expertise de especialistas sobre a propriedade intelectual, pela criatividade e inovação potencializadas pelas TIC para novos modelos de negócio, pela forte atuação da sociedade civil organizada, talvez seja possível caminhar para uma legislação que garanta a merecida remuneração de artistas e criadores, a inovação da economia criativa e o amplo acesso à informação, à cultura e ao conhecimento. 0

Referências

DANTAS, Marcos. O espetáculo do crescimento: a indústria cultural como novo motor de desenvolvimento na atual fase do capitalismo mundial. In: Produção de conteúdo nacional para mídias digitais. Brasília: SAE, 2011. p. 216. Disponível em: <http://www.sae.gov.br/site/?p=4999>. Acesso em: 21 mar. 2012

GINDRE, Gustavo. Agenda de regulação: uma proposta para o debate. In: SILVEIRA, Sérgio Amadeu. Comunicação digital e a construção dos commons: rede virais, espectro aberto e as novas possibilidades de regulação. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2009.

LIMA, Fabio Luiz Malini; MARQUEZ, Allan Cancian. #SpanishRevolution: a internet e suas narrativas como uma nova forma de se contar histórias no Twitter. V Simpósio Nacional ABCiber. Florianópolis: UFSC, 2011. Disponível em: <http://www.abciber.org/simposio2011/anais/Trabalhos/artigos/Eixo%202/3.E2/251-390-1-RV.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2012.

MANEVY, Alfredo. Entrevista concedida a, Rodrigo Savazoni e Sergio Cohn. In: SAVAZONI, Rodrigo; COHN, Sergio (Org). Cultura digital.br. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

MCKEOWN, Patrick. The Digital Economy Act 2010: Why the UK’s graduated response system to counter online copyright infringement should be repealed, 2010, 77f. Dissertação (Master of Legal Science), Queen’s University.

MELLO E SOUZA, André. A Estratégia para Globalização dos Direitos de Propriedade Intelectual e suas Implicações para o Brasil: o caso do Acordo Comercial Anti-Contrafação (ACTA). Boletim de Economia e Política Internacional, 3, 2010. Disponível em <https://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/100709_boletim_internacional03.pdf#page=7>. Acesso em: 3 jun. 2012.

PARANAGUÁ, Pedro; BRANCO, Sérgio. Direitos autorais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

PEREIRA, Alexandre Dias. Direitos autorais e acesso à internet: uma relação tensa. Texto apresentado no IV Congresso de Direito de Autor e Interesse Público. Florianópolis, 2010. Disponível em: <http://www.direitoautoral.ufsc.br/gedai/?dl_id=4>. Acesso em: 7 jun. 2012.

SHAW, Aaron, The Problem with the Anti-Counterfeiting Trade Agreement (and what to do about it), KEStudies, 2, 2008.

SOUZA, Allan Rocha de. A construção social dos direitos autorais: primeira parte. Texto apresentado no XV Congresso Nacional do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Gradução em Direito (CONPENDI). Manaus, 2006. Disponível em: <http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/anais/campos/allan_rocha_de_souza.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2012.

RIPC, Rede Internacional de Políticas Culturais. Direitos autorais, acesso à cultura e novas tecnologias: desafios em evolução à diversidade cultural. Brasília: Ministério da Cultura, 2006. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br/site/wp-content/uploads/2008/02/estudo-minc-ripc-port.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2012.

 


[1] Copyright é um instrumento jurídico existente na maioria dos países, que dá ao criador de um bem cultural original os direitos exclusivos de propriedade pela obra, geralmente por tempo limitado. No Brasil ele é regulamentado pela Lei 9610/98, conhecida como Lei do Direito Autoral (LDA).

[2]  Servidores de acesso são as empresas responsáveis por conectar o usuário de Internet à uma infraestrutura de telecomunicações que possibilite o acesso à Internet.

[3] A escolha da Colômbia se deu pelo fato do país atravessar um processo de debate e aprovação de legislação sobre o tema no momento de realização desta pesquisa e onde havia uma discussão mais avançada na região quanto à regulamentação dos direitos autorais na Internet.

[4] Impressores e vendedores de livros deram origem à atividade econômica realizada pelos editores.

[5] Tradução própria do original em inglês: “That any person or company should have patents for the sole printing of ancient authors is very unreasonable and injurious to learning; and for those who purchase copies from authors that now live and write, it may be reasonable to limit their property to a certain number of years after the death of the author.”

[6] Ter a ideia de uma composição é diferente de expressá-la numa música. A música é protegida, a ideia da composição não.

[7] Cultura digital é aqui entendida não como uma tecnologia, mas como um “sistema de valores, de símbolos, de práticas e de atitudes que muda a relação do cidadão com o meio de comunicação, fazendo emergir a cultura das redes, do compartilhamento, da criação coletiva, da convergência” (Manevy, 2009).

[8]  Sean Parker também foi sócio e presidente do Facebook.

[9]  O Congresso foi patrocinado pela Coca-Cola, Daimler Chrysler, Pfizer, Proctor and Gamble, American Tobacco, Phillip Morris, Swiss Watch, Nike e Canon (Shaw, 2008, p. 2).

[10] Ver em <http://ec.europa.eu/trade/tackling-unfair-trade/acta/index_en.htm>. Acesso em 30 set. 2012.

[11]  O U.S. Code é uma consolidação das leis gerais e permanentes dos Estados Unidos.

[12]  Disponível em <http://www.copyright.gov/legislation/dmca.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2012.

[13]   Órgão oficial do governo norte-americano responsável por “promover a criatividade através da administração dos direitos autorais e a manutenção de um sistema de gestão eficaz para o autor nacional”.

[14]  Tradução própria do original em inglês: “(…) to assure that the public will have the continued ability to make fair use of copyrighted works. Since copying of a work may be a fair use under appropriate circumstances, section 1201 does not prohibit the act of circumventing a technological measure that prevents copying. By contrast, since the fair use doctrine is not a defense to the act of gaining unauthorized access to a work, the act of circumventing a technological measure in order to gain access is prohibited”.

[15] Tradução própria do original em inglês: “(…) the heart of the bill – and the controversy – lies in Sections 102 and 103. Under Section 102, the attorney general is authorized to bring an action against a ‘foreign infringing site’, defined as a foreign website ‘directed’ toward users in the U.S. and operated in a manner that would subject it to prosecution for copyright infringement if it were a domestic company. The attorney general can seek a court order requiring; Internet service providers (ISPs) to prevent their subscribers from accessing ‘foreign infringing sites’; search engines to stop providing the domain name of the ‘foreign infringing site’ in response to a query, ‘payment network providers’ (PayPal, for example) to stop completing payment transactions related to the ‘foreign infringing site’, and ‘Internet advertising services’ to stop providing ads for ‘foreign infringing sites’ and to stop providing or receiving any compensation to or from those sites.”

[16] Disponível em <http://fightforthefuture.org/pipa>. Acesso em: 10 jun. 2012.

[17] Um dos fundadores do Facebook.

[18] Disponível em <http://www.01net.com/genere/article/fichiersAttaches/300415066.pdf>. Acesso em: 16 jul. 2012.

[19]  Tradução própria do original em francês: “A peine 15% des internautes qui utilisaient les réseaux Peer-to-Peer avant l’adoption de la loi Hadopi ont définitivement cessé de le faire depuis. Parmi ces ex-téléchargeurs, seulement un tiers a renoncé à toute forme de piratage numérique, alors que les deux tiers restant se sont tournés vers des pratiques alternatives de piratage échappant à la loi Hadopi comme le streaming illégal (allostreaming,…) ou le téléchargement sur des sites d’hébergements de fichiers  (megaupload, rapidshare,…). – Bien que  le nombre d’internautes fréquentant les réseaux Peer-to-Peer ait diminué, le nombre de « pirates numériques » a légèrement augmenté depuis le vote de la loi Hadopi. – Parmi les internautes qui continuent encore de télécharger sur les réseaux Peer-toPeer, 25% d’entre eux déclarent avoir modifié leurs pratiques de piratage depuis l’adoption de la loi Hadopi. – Enfin, les « pirates numériques » se révèlent être, dans la moitié des cas, également des acheteurs numériques (achat de musique ou de vidéo sur Internet). Couper la connexion Internet des utilisateurs de réseau Peer-to-Peer pourrait potentiellement réduire la taille du marché des contenus culturels  numériques de 27%. Une extension de la loi Hadopi à toutes les formes de piratage numérique exclurait du marché potentiellement la moitié des acheteurs de contenus culturels numériques”.

[20] Tradução própria do original em inglês: “The real issue with the proposal as it stands is whether the independent auditor will have sufficient expertise to make judgments on the methods employed and ensuring that these judgments will be delivered before any CIRs are sent and at regular periods thereafter. The same point applies to ISPs in matching IP addresses to subscribers. Without at least having these specific requirements in place as regards the independent auditor there will remain the grave risk that erroneous”.

[21] O batismo da lei é uma referência à Angeles Gonzáles-Sinde, ex-ministra da cultura, e José Ignacio Wert, que assumiu o cargo em 2012.

[22]  De acordo com informações do artigo de Sergio Amadeu no blog Trezentos, a IIPA, criada em 1984, é uma coalizão privada de associações comerciais que representam as indústrias dos EUA interessadas na expansão do copyright. Ela emprega esforços bilaterais e multilaterais para assegurar os interesses de seus associados, seja lutando pela abertura de mercados externos fechados, seja combatendo o que consideram pirataria. Anualmente ela envia ao governo norte-americano sugestões de medidas para defender a indústria de copyright dos Estados Unidos.

[23] Disponível em <https://www.eff.org/deeplinks/2012/01/spains-ley-sinde-new-revelations>.  Acesso em:  20 jun. 2012.

[24]  Tradução própria do original em inglês: “The new letter reported by El Pais on December 12, 2011 reveals how the U.S. ambassador disparaged Spanish officials for not getting the law fully put in place. The letter said: The government has unfortunately failed to finish the job for political reasons, to the detriment of the reputation and economy of Spain… I encourage the Government of Spain to implement the Sinde Law immediately to safeguard the reputation of Spain as an innovative country that does what it says it will, and as a country that breeds confidence.”

[25] Legislação disponível em <http://docs.com/View/730671463/fc037094ffad4bb2a33374994ffa2ced>. Acesso em: 5 jul. 2012. Tradução própria do trecho: “Artículo 1. Objeto. Implementar compromisos adquiridos por la República de Colombia en virtud del Acuerdo de Promoción Comercial con los Estados Unidos de América, sus cartas adjuntas y sus entendimientos, suscrito en Washington el 22 de noviembre de 2006 y el Protocolo Modificatorio al Acuerdo de Promoción Comercial con los Estados Unidos de América, firmado en Washington, Distrito de Columbia, el 28 de junio de 2007, y la carta adjunta de la misma fecha, aprobados por el Congreso de la República de Colombia mediante Ley 1143 del 4 de julio de 2007 y Ley 1166 del 21 de noviembre de 2007, respectivamente.”

[26] Disponível em <http://edemocracia.camara.gov.br/web/marco-civil-da-internet>. Acesso em: 15 de jun. 2012.

Compartilhe