f R y r
_
f R y r
_

Planos nacionais de banda larga e o papel dos Estados na universalização do serviço

 


JONAS CHAGAS LÚCIO VALENTE
Este capítulo visa debater os planos e estratégias nacionais de banda larga adotados por diversos países como forma de garantir acesso ao serviço a todos os cidadãos a velocidades determinadas, que variam de caso a caso. O papel do Estado no desenvolvimento da oferta e na garantia da universalização do acesso a essa tecnologia será tratado como base para a análise das experiências internacionais. Serão abordadas iniciativas que vêm se destacando no plano global. Ao final, elas serão avaliadas de forma comparada para traçar uma caracterização e identificar tendências no planejamento da formação dos mercados de banda larga no mundo. 0

Introdução
Na virada do século XX para o XXI, o acesso à Internet em banda larga assumiu o lugar de principal serviço de telecomunicações na maior parte dos países do globo. A rede mundial de computadores já havia se consolidado por meio da tecnologia de acesso discado, mas a penetração ainda não estava massificada. A banda larga levou esse meio de comunicação a outro nível, ao permitir que a transmissão de dados servisse de suporte para a troca de conteúdos antes pertencentes a outras mídias, como os audiovisuais. 0

A banda larga tornou-se a expressão mais importante do fenômeno que ganhou o nome de convergência tecnológica ou “de mídias”. A partir das possibilidades suscitadas pela digitalização – que flexibilizou a captura, o armazenamento, o transporte e o acesso às informações convertidas em linguagem binária (0 e 1) –, o mercado se reorganizou em uma onda de concentração em conglomerados ofertando serviços por meio das mais diversas plataformas (fixas, DSL, cabo, móveis etc.) [1]. Pela sua alta capacidade de tráfego de dados, a banda larga se constituiu como o “serviço base” por excelência para a oferta de outros serviços [2].

O novo serviço passou a ser objeto da atenção de governos, organismos internacionais, entidades da sociedade civil e agentes de mercado. A dinâmica do mercado de telecomunicações, em especial deste, impôs alguns desafios. O primeiro deles é o que ficou conhecido historicamente como tendência ao monopólio, em razão dos altos custos de implementação das estruturas por onde são ofertados os serviços. Este aspecto foi reforçado pelo já citado movimento de fusões e aquisições que resultou na consolidação de grandes grupos com atuação nas várias fases da cadeia (produção, programação, empacotamento, distribuição) e nas diversas plataformas (fixas, cabo, móveis, satélite).

O segundo desafio são os altos custos do serviço e da sua expansão à totalidade dos territórios. As pessoas mais ricas e dos grandes centros urbanos rapidamente passaram a ter acesso à banda larga em redes cada vez mais desenvolvidas e a velocidades mais altas (cujo exemplo mais evidente é a instalação de fibra ótica direto na residência do usuário – fiber-to-the-home, na sigla em inglês). Enquanto isso, boa parte da população continuou sem acesso à banda larga ou vivenciando serviços com custo elevado e de baixa qualidade. Isso inclui os substratos da população de grandes centros urbanos com menor poder aquisitivo, moradores de cidades pequenas e médias e, especialmente, as áreas mais afastadas, como a zona rural. 0

Nesse cenário, duas questões majoritárias ganharam força: como garantir a diversidade e a competição no mercado e como fazer com que esse recurso seja ofertado com qualidade e velocidade, abrindo espaço para aplicações inovadoras ao conjunto da população de cada nação. O primeiro ponto foi analisado no capítulo 2. O segundo, que envolve os planos e estratégias nacionais para implantar de forma massiva ou universal [3] a banda larga nos países, será o foco deste capítulo. 0

Diante disso, a indagação central desse capítulo gira em torno da seguinte questão: de que forma os Estados estão buscando superar os obstáculos que dificultam a universalização da banda larga e até que ponto as soluções adotadas guardam identidade e podem sinalizar um modelo a ser adotado em outras experiências nacionais? Neste sentido, o capítulo tem os seguintes objetivos: (1) levantar a discussão sobre o papel do Estado na garantia do acesso à banda larga à população; (2) fazer uma análise dos planos nacionais de banda larga adotados por países que se tornaram referência em políticas de acesso à Internet rápida, e; (3) identificar experiências nacionais que avançam no sentido da universalização do serviço. 0

Para almejar estes objetivos, o presente texto estará dividido em três partes. A primeira vai discutir o papel do Estado em relação à banda larga e os diversos instrumentos que este possui para executar os objetivos definidos com relação ao serviço. A segunda visa expor um panorama dos planos e estratégias nacionais de acesso à banda larga de maior destaque no cenário internacional. E a terceira e última seção pretende produzir uma análise dessas iniciativas à luz dos conceitos e abordagens apresentados. 0

O papel do Estado para garantir a banda larga aos cidadãos
A partir do momento em que a banda larga foi identificada como serviço de fundamental importância pelos Estados, transformou-se em objeto de ações coordenadas para estimular a efetivação de sua oferta aos cidadãos. Cada iniciativa passou a fazer uso de maneira coordenada de um conjunto de instrumentos de ação estatal, como o investimento em infraestruturas, subsídios para viabilizar a contratação do serviço por pessoas mais pobres ou até mesmo a construção de redes próprias. 0

Tais iniciativas indicam que a dinâmica de mercado, seja ele configurado pelo modelo da competição entre redes ou pela concorrência entre serviços, apresentou dificuldades para prover aos cidadãos o acesso à Internet em banda larga. O que provocou a necessidade da intervenção dos Estados para planejar as diversas frentes de atuação. Isso não significou uma “reestatização” do setor, mas recolocou o poder público e suas autoridades reguladoras no centro das medidas de estímulo ao desenvolvimento da banda larga nos países. 0

Historicamente, o Estado esteve presente desde muito cedo no setor das comunicações. Jambeiro (2000) lista três funções principais operadas por ele na área:

Ele é Estado Proprietário, no que se refere, por exemplo, a bibliotecas, centros de documentação, ao espectro eletromagnético e às emissoras de rádio e TV que explora diretamente. É também Estado Promotor, porque traça as estratégias públicas para o desenvolvimento do setor, faz inversões de infraestrutura, e concede incentivos e subvenções. E, finalmente, é Estado Regulador, na sua função de fixar regras claras de instalação e operação, que eliminem as incertezas e desequilíbrios (Jambeiro, 2000). 0

Também no caso específico do setor de telecomunicações, a presença estatal se constituiu desde a primeira fase, na segunda metade do século XIX. Embora o serviço de telégrafo tenha nascido privado [4], a maioria dos governos assumiu o papel de construir e implantar as redes de telefonia e de operá-las por meio de companhias próprias (estatais), em especial os europeus. Tal opção se deveu a dois entendimentos fundamentais: primeiro, que a telefonia constituía-se em um monopólio natural em razão dos altíssimos custos de instalação e manutenção da infraestrutura; segundo, que o setor era estratégico e não poderia ser entregue a empresas privadas. 0

Embora se desenvolvesse por iniciativa de empreendedores individuais, na forma de serviços oferecidos aos mercados financeiro e comercial, e embora fosse a época áurea do liberalismo, o telégrafo acabaria submetido, na Europa, ao controle direto e monopolístico do Estado. Primeiro, por causa da reação dos banqueiros e comerciantes às tarifas abusivas praticadas pelos proprietários das linhas que, além disso, ofereciam serviços ruins. Em segundo lugar, porque o controle da informação era essencial à consolidação dos regimes políticos que emergiram na Europa após a conturbação revolucionária da primeira metade do século XIX (Dantas, 2002). 0

Com a crise do modelo fordista que sustentou os “anos de ouro” do capitalismo no pós-segunda guerra, os governos liberais promoveram a partir dos anos 1970 uma alteração radical do modelo. Com uma onda de privatizações das companhias telefônicas [5], o Estado deixou de operar a função de “proprietário” e passou a assumir fundamentalmente o papel de “regulador” e “promotor”, para recuperar o esquema de Jambeiro (2000). Esse movimento visou ampliar a oferta e retirar a dependência estatal dos agentes econômicos que necessitavam cada vez mais das tecnologias da informação para integrar suas plantas produtivas (com matrizes no centro do capitalismo e fábricas na periferia). Ele beneficiou também o capital financeiro, que não podia prescindir dessas infovias para desenvolver o sistema de comunicação das movimentações em mercados de bolsas de valores e em outras transações. Por fim, as privatizações também abriram mais um nicho a ser explorado pelas empresas em um momento de crise do modelo baseado em bens duráveis. 0

A mais notória exceção foram os Estados Unidos. O país constituiu seu sistema de telecomunicações no início do século XX calcado na reunião de diversas empresas locais em um monopólio privado controlado pela AT&T. Na década de 1980, no entanto, o movimento de quebra de monopólio que ocorreu na Europa também se manifestou na maior nação capitalista do mundo. E a AT&T foi dividida em diversas empresas regionais, que ficaram conhecidas como Baby Bells. 0

Nesta nova fase, onde o acesso à Internet em banda larga emerge como um importante serviço no setor de telecomunicações, os governos mantêm o papel de reguladores dos mercados, mas aprofundam o comportamento de promotores e retomam a propriedade de parte do sistema em algumas experiências, em especial as infraestruturas: 0

Geralmente, governos conseguem influenciar mercados tanto na parte da demanda quanto da oferta. A última pode ser classificada em duas amplas subcategorias políticas, buscando assistir a construção de redes de banda larga de um lado e políticas objetivando a promoção da competição pela imposição de obrigações regulatórias de outro lado. Especialmente em um campo de alto impacto econômico e social como a banda larga, governos usam uma variedade de medidas para aumentar a penetração e promover a competitividade [6] (Picot & Wernick, 2007). 0

Como síntese, podemos elencar algumas das principais medidas adotadas por diversos países neste cenário: 0

a) O estabelecimento de obrigações para os operadores de modo a garantir que novos entrantes no mercado possam ter condições razoáveis e não discriminatórias para atender aos cidadãos; 0

b) A fiscalização do cumprimento das obrigações e dos parâmetros mínimos de qualidade ou definidos em lei ou nos contratos para oferta do serviço; 0

c) A definição dos modelos de ocupação do espectro radioelétrico para os serviços baseados em redes móveis, com a alocação de faixas de frequência para as tecnologias de transmissão de dados (3G, 4G) e a definição de obrigações no caso da cobertura; 0

d) A implantação de subsídios aos operadores, como isenções fiscais, para baratear elementos da infraestrutura ou parte do serviço com vistas ao barateamento do custo ao cidadão; 0

e) A concessão de subsídios aos cidadãos mais pobres de modo a permitir a contratação dos serviços que normalmente são inacessíveis a eles; 0

f) O investimento na construção de redes próprias, não próprias ou em parceria com a iniciativa privada. [7] 0

 

Os governos nacionais vêm buscando atuar desde a base de oferta do serviço (as redes), até o acesso propriamente dito na contratação do serviço. Em vários deles (como será visto na próxima seção), essas iniciativas estão associadas a metas de universalização do acesso à Internet a velocidades mínimas consideradas como condição para a plena fruição dessa tecnologia e do que ela possibilita. A partir da compreensão da banda larga como serviço essencial, caberia ao Estado fazer com que ele esteja disponível a todos os cidadãos. 0

Aparecem aí duas perspectivas distintas. A primeira, mais presente nas experiências europeias e asiáticas, tem a universalização em condições iguais como princípio. Isso significa afirmar que todos, independentemente da condição socioeconômica, devem ter assegurado o acesso a uma Internet em determinadas condições e a uma velocidade mínima. Ela se assemelha à compreensão das políticas de Estado de bem-estar social e de efetivação dos direitos ao conjunto da população, mesmo que a afirmação como direito desse serviço específico tenha acontecido em alguns dos casos apenas. 0

A segunda perspectiva, presente nos Estados Unidos e no Canadá, trabalha com o conceito de massificação e de atendimento da parcela para a qual o serviço é inacessível. As políticas, nesse modelo, são focalizadas em grupos específicos da população e visam promover o acesso básico a quem não tem como se conectar à rede mundial de computadores. A finalidade da política, nesse modelo, seria apenas garantir o acesso à Internet a parcelas da população. Já a qualidade e a velocidade seriam preocupações a serem contempladas posteriormente. Dentro dessa perspectiva, destacam-se as políticas de subsídio às populações mais pobres e de atendimento das áreas rurais. 0

As estratégias relacionadas à banda larga ganharam também status prioritário após a deflagração da crise financeira internacional de 2008. As iniciativas de estímulo passaram a ser vistas não apenas como medidas voltadas à consolidação da banda larga em alguns países, mas também como alternativa para retomar os níveis de atividade econômica experimentados antes do evento. O investimento na Internet de alta velocidade foi visto como ferramenta anticíclica [8] para a criação de empregos, o combate à desaceleração e a retomada do crescimento sustentado de longo prazo, como aponta Qiang (2010). Para o autor: 0

O investimento governamental em infraestrutura de banda larga é visto como algo que terá impacto a longo prazo nas atividades produtivas em outros setores da economia. Investimentos em redes são típicos exemplos de investimento governamental produtivo pelas externalidades que produzem. Tecnologias da informação facilitam grandes ciclos de inovação e resultam em uma substancial reestruturação da economia, contribuindo teoricamente com todos os setores por meio de ganhos de produtividade [9] (p. 3). 0
Planos e estratégias nacionais
Os Estados Unidos são um dos maiores exemplos da tendência mencionada no final da seção anterior. Foi o país em que a crise financeira internacional de 2008 nasceu e onde teve seu maior impacto. Como parte do esforço de retomada dos rumos da economia, uma lei aprovada em 2009 pelo Congresso estadunidense (American Recovery and Reinvestiment Act) autorizou a liberação de US$ 7,2 bilhões de dólares em investimentos estatais nas ações de promoção do acesso à banda larga e determinou à autoridade reguladora do país (Federal Communications Comission, FCC) a elaboração de um plano nacional de banda larga. Em março de 2010, após consultas e audiências públicas, a FCC lançou a versão final do plano (National Broadband Plan, NBP). O documento traz um diagnóstico do setor no país e identificou que, naquele contexto, mais de 100 milhões de pessoas ainda não tinham acesso à tecnologia e apenas 60% dos quase 300 milhões de cidadãos eram atendidos por serviços móveis baseados na tecnologia 3G. Para reverter essa situação, o estudo apresentou seis objetivos a serem alcançados até 2020 (FCC, 2010). Conforme descreve o documento: 0

1) Pelo menos 100 milhões de lares devem ter acesso à Internet com velocidades mínimas de 100 megabits por segundo para download e 50 megabits por segundo para upload até 2020; 0

2) Os Estados Unidos devem liderar o mundo na inovação dos serviços móveis, com a mais veloz e mais extensa rede móvel que qualquer nação pode ter; 0

3) Todo cidadão estadunidense deve ter acesso a preços razoáveis a um serviço robusto de banda larga, bem como os meios para assiná-lo se assim escolher; 0

4) Todas as comunidades devem ter acesso a preços razoáveis a serviços de no mínimo um gigabit por segundo para servir a instituições como escolas, hospitais e prédios governamentais; 0

5) Para garantir a segurança do povo estadunidense, cada dispositivo deve ter acesso a uma rede de segurança pública nacional, interoperável; 0

6) Para garantir que os Estados Unidos liderem a economia de energia limpa, todos os cidadãos devem estar aptos a gerenciar o consumo de energia do serviço de banda larga que estão usando. 0

 

Para alcançar essas metas, o plano elenca quatro estratégias e um conjunto de ações para cada uma delas. A primeira é o estabelecimento de políticas para o incentivo à competição. Elas consistem no monitoramento constante e na divulgação de informações sobre os preços e opções de oferta em cada mercado do país, de modo que a autoridade reguladora possa avaliar onde a competição está falhando. Algo que também busca servir como subsídio para que os cidadãos possam avaliar as condições de cada prestador para escolher a opção que lhes convier. 0

Outra recomendação é a revisão das regras para a compra de dados no atacado [10] para fomentar a competição a partir dos entrantes que não são detentores das redes. O documento indica também que o poder público deve estimular um mercado competitivo de set-top boxes [11] e permitir que estados e entidades locais também possam prover o serviço. 0

A segunda estratégia é assegurar a alocação e o uso eficientes dos recursos que o Estado detém ou influencia, como o espectro de radiofrequências, dutos, canos, tetos e outros usados para a prestação do serviço de acesso à banda larga. A FCC acredita que, dessa forma, o governo pode facilitar a entrada de novos agentes econômicos no mercado. 0

O governo financia um grande número de projetos de infraestrutura. Garantir que esses recursos serão alocados e geri-los de maneira eficiente pode encorajar o desenvolvimento da infraestrutura de banda larga e diminuir as barreiras à entrada [12] (FCC, 2010, p. 12). 0

Quanto ao espectro de radiofrequências, a FCC possuía uma quantidade insuficiente de faixas de frequência do espectro eletromagnético para atender a demanda por serviços de dados, usando dispositivos móveis como celulares ou tablets. O plano afirma o compromisso da FCC de disponibilizar 500 novos megahertz até 2020, sendo 300 até 2015. Para isso, o documento prevê mecanismos para que a FCC possa realocar faixas de espectro para novos usos. A intenção é obter benefícios dos avanços tecnológicos promovidos pelo uso da tecnologia digital no espectro eletromagnético que permitem uma ocupação menor das faixas de frequência, o que dá flexibilidade à agência reguladora para redirecionar esse excedente para onde houver demandas, como no caso do tráfego de dados por operadoras móveis. Juntamente a isso, o estudo aponta para a busca de novos modelos tecnológicos de exploração do espectro, em especial os que usam como suporte as faixas não licenciadas [13]. 0

Quanto à infraestrutura, são colocadas como medidas necessárias à definição de modelos mais uniformes e baratos de comercialização dos espaços de canos e dutos e a simplificação dos procedimentos para implantar as redes de tráfego de dados [14]. Onde houver financiamento público, como no caso de obras de estradas, rodovias e pontes, o plano estadunidense prevê estabelecer um planejamento racional que permita o aproveitamento desses espaços para a implantação das redes de banda larga. 0

A terceira estratégia diz respeito aos incentivos para a disponibilidade universal do serviço de banda larga. A intenção da FCC é assegurar a todos as condições de contratar o serviço e poder fruí-lo de forma plena, com domínio suficiente das técnicas para utilizá-lo. A principal ação é a criação de um fundo (Connect America Fund – CAF) para promover o acesso à banda larga com velocidade de pelo menos 4 megabits por segundo. Segundo o plano, seria necessário redirecionar cerca de US$ 15,5 bilhões do fundo de serviços universais[15] e incrementar com “alguns bilhões de dólares por dois ou três anos” [16] (ibidem). A perspectiva até o final do período trabalhado no NBP é fazer a transição da verba destinada para financiar os componentes de alto custo do fundo de serviços universais para o CAF. A criação de outro fundo também é apontada, neste caso especificamente para financiar iniciativas de cobertura de áreas não atendidas pela tecnologia 3G. 0

Já no que tange aos subsídios aos cidadãos mais pobres, o plano estadunidense indica o redirecionamento de programas de apoio [17] para o acesso a serviços de banda larga. Outra possibilidade aventada é incluir como condição no licenciamento de novas faixas de espectro a oferta de serviços a preços mais baixos para essa parcela da população, que também seria beneficiada por atividades de formação e capacitação para o uso das mídias, tanto por programas governamentais quanto pelas operadoras privadas. O objetivo central é quebrar resistências ao uso dessas tecnologias e facilitar a introdução de novos contingentes ao mundo digital. 0

A quarta estratégia é a atualização de políticas, a definição de parâmetros e o alinhamento de incentivos para maximizar o uso da banda larga em áreas prioritárias para o país. Na saúde, o plano manifesta a necessidade de qualificar o acesso dos provedores de serviços de atendimento à população de modo que estes possam utilizar as tecnologias da informação para agilizar e baratear os procedimentos. Na educação, a ampliação do acesso à banda larga é identificada como recurso fundamental para fomentar o aprendizado on-line dos estudantes e a formação continuada dos professores, bem como a transparência para o aumento do controle das atividades do setor. Na área energética, o documento prescreve a adoção de sistemas eficientes de gasto de energia e o investimento em aplicações que regulem e forneçam informações para economizar esse dispêndio. Na segurança pública, as sugestões são no sentido de criar uma rede móvel de banda larga e modernizar os contatos de emergência, conhecidos no país pelo número telefônico por onde é possível fazer denúncias (911). Por fim, no tocante à gestão governamental, o plano recomenda ao Executivo a modernização de seus serviços internos de informática e tráfego de dados e o uso da Internet para tornar as ações das diversas instituições vinculadas mais abertas e transparentes. 0

Quanto aos recursos para a efetivação, ao apontar que o Congresso deve reservar “alguns bilhões de dólares por dois ou três anos”, fica claro que a FCC não tem uma previsão do valor anual exato necessário para implementar o conjunto de medidas aportadas no plano. O texto explica que o grande conjunto das recomendações não vai ensejar investimentos públicos, que só serão destinados à oferta de áreas não atendidas, às ações relacionadas à segurança pública e à própria gestão da implementação do plano. A expectativa expressa é de que os leilões de faixas de espectro para os serviços móveis permitam recolher o montante necessário para financiar as iniciativas. 0

Desde o lançamento do NBP, pesquisadores e entidades da sociedade civil vêm se dedicando a uma análise crítica acerca de suas propostas e implementação. A associação Free Press [18] lançou um relatório de avaliação no qual classifica as metas do plano como “modestas” e critica o fato do prazo para seu alcance ser muito mais longo do que o adotado por outros países. Outra fragilidade alegada pela organização é a definição dos objetivos para as áreas rurais para 2020, que mesmo cumpridos permitiriam a essa parcela da população o acesso a serviços com velocidade até 96% menor do que a disponibilizada nas áreas urbanas. Outra preocupação da entidade é com a competição. Nos serviços fixos (telefonia fixa, banda larga via cabo etc.), 96% dos lares são atendidos por duas ou menos empresas, dado que evidencia o duopólio formado pela AT&T e pela operadora de cabo Comcast nas tecnologias de DSL e fibra ótica. Essa questão é estruturante, uma vez que a política de subsídios contribui para a inclusão de uma parcela da população mais pobre, porém não a totalidade, o que não resolve o problema da exclusão digital. 0

Noam (2011) afirma que a partir do lançamento do plano nacional de banda larga norte-americano houve um giro no sentido de privilegiar os acessos móveis como a solução para o atendimento das áreas não cobertas. O autor condena a solução e considera que ela é apenas um paliativo que não previne uma nova exclusão digital, aquela da velocidade de transmissão de dados. Isso porque o consumo intensivo, especialmente no caso de filmes, é inviável de ser suportado para um conjunto grande de usuários das redes móveis. Ele demanda uma quantidade enorme de espectro (que não está disponível) e de torres de celular (o que é condenável do ponto de vista do planejamento urbano). Para o autor: 0

O problema da plataforma sem fio é que ela tem uma lógica econômica negativa para a velocidade, adicionar velocidade se torna progressivamente mais caro, enquanto no caso da fixa essa dinâmica é positiva. Se é dobrada a velocidade de uma rede sem fio é preciso mais espectro. Esse espectro adicional é mais caro que o anteriormente adquirido, porque ele se torna mais difícil de liberar, é mais disputado entre as companhias, ocupa frequências menos privilegiadas e requer batalhas regulatórias maiores (Noam, 2011, p. 477). 0

No Canadá a estratégia recente nasceu de um plano mais amplo (Canada’s Economic Action Plan), lançado em janeiro de 2009. Ela veio na esteira de diversas iniciativas ao longo dos anos 1990 e 2000 que tiveram foco no atendimento da população rural, de comunidades em áreas remotas e de índios e pobres nas grandes e médias cidades (Howard, Busch & Sheets, 2010). O plano destinou 225 milhões de dólares canadenses para o atendimento onde não existia ou era feito de forma considerada insuficiente (unserved and underserved areas). As primeiras foram classificadas como aquelas onde havia apenas o serviço de acesso à Internet discado e as segundas as cobertas por serviços mais rápidos que o discado, porém inferiores a 1,5 megabits por segundo. 0

Em abril do mesmo ano, foi lançado o plano com o nome de Banda Larga Canadá, conectando os canadenses do campo (Broadband Canada: Connecting Rural Canadians). O objetivo era garantir a oferta do serviço a todas as regiões do país com velocidade mínima de 1,5 megabits por segundo. Para isso, foram identificadas as áreas sem atendimento e com atendimento insuficiente (Geographical Service Areas). O governo abriu a possibilidade da apresentação de projetos para esses locais, fornecendo financiamento direto não reembolsável para a expansão de redes e da oferta, onde as operadoras não entraram pela ausência de pessoas em condição de pagar pelo serviço. Metade dos custos seria bancada por esse subsídio e a outra metade pelos provedores. 0

O programa encorajou a competição entre os proponentes (para reduzir o investimento governamental) e estipulou a complementação da infraestrutura dentro de um cronograma. Foi aberto a provedores de Internet, organizações sem fins lucrativos e cooperativas, ou outros consórcios; tudo podendo ser a partir de múltiplos projetos e múltiplas áreas. A parte da situação de propriedade, os proponentes deveriam demonstrar que as soluções tecnológicas propostas vão ao encontro da velocidade mínima estipulada para construir a rede e operá-la [19] (McKeown, Brocca e Veenhof, 2010, p. 9). 0

A autoridade governamental responsável pelo programa (Industry Canada) recebeu 570 propostas, das quais 75 se transformaram em projetos aprovados com a promessa de atender a 217 mil residências em todo o país. Em 2010, 98% da população já era atendida por acessos com velocidade mínima de 1,5 megabits por segundo e 86% com velocidade de pelo menos 5 megabits por segundo (CRTC, 2011a). A Comissão de Rádio, Televisão e Telecomunicações do país (Canadian Radio-Television Telecommunications Comission – CRTC) reafirmou em seu último relatório o modelo de parceria adotado: 0

A Comissão considera que o desenvolvimento da Internet em banda larga, incluindo o realizado em áreas rurais e remotas, deve continuar baseado nas forças do mercado com apoio de financiamentos públicos, em uma abordagem que incentiva as parcerias público-privadas. […] As necessidades da Internet canadense, em todas as regiões do país, mudaram e continuam mudando. Canadenses estão demandando velocidades maiores, maiores taxas de transferência de dados e flexibilidade no uso dos dispositivos fixos, móveis e portáteis [20] (CRTC, 2011). 0

A CRTC estabeleceu como meta central que todos os cidadãos do país tenham até 2015 acesso a serviços de banda larga com velocidade mínima de 5 megabits por segundo de download e de um megabit por segundo de upload. Na norma 291 (CRTC, 2011a), a Comissão realizou uma revisão do modelo. A partir da avaliação de que houve um avanço no atendimento dos cidadãos canadenses, determinou uma grande redução dos subsídios estatais, mantendo-os apenas para as incumbents [21] locais, únicas operadoras com a responsabilidade de oferecer acesso universal ao serviço. 0

O novo modelo trabalha com a recuperação dos custos de investimento das incumbents locais nas áreas que não geram retorno econômico, imputando aos novos entrantes o financiamento de parte desse subsídio. 0

A Comissão considera que os custos de implementação da competição no âmbito local representam um peso desproporcional para as incumbents locais, dado o baixo número de serviços de acesso que elas oferecem. Consequentemente, a Comissão determina que as pequenas incumbents locais que mantêm menos de 3 mil serviços de acesso ou menos tenham os custos de implementação reembolsados, durante um período de três anos, pelos novos entrantes [22] (CRTC, 2011a, p. 4). 0

Na América do Sul, a Argentina é o principal exemplo de implantação de uma estratégia nacional para banda larga. O governo daquele país lançou em outubro de 2010 o seu plano (Plan Nacional de Telecomunicaciones Argentina Conectada), estruturado com base nos seguintes eixos estratégicos: inclusão digital, otimização do espectro radioelétrico, desenvolvimento dos serviços universais de telecomunicações, geração de empregos no setor, capacitação e pesquisa em tecnologias da informação e da comunicação, melhoria da infraestrutura e da conectividade, e fomento à competitividade (Argentina, 2010). 0

A inclusão digital é abordada como a busca pelo acesso universalizado de todos os argentinos em iguais condições em qualquer região do país. A questão da desigualdade regional aparece como aspecto fundamental diante do quadro díspar entre as diversas cidades e estados. Enquanto em Buenos Aires a penetração da banda larga está na casa dos 45%, na maioria das cidades ela não passa de 15% (Argentina, 2010b). Ao longo do decreto, há diversas citações sobre a importância de ampliar e igualar o acesso dos serviços da sociedade da informação, bem como sobre a necessidade de atualizar a noção de serviço universal, definido como: 0

[...] o conjunto de serviços e programas, variáveis no tempo, definidos pelo Estado Nacional, destinados à população em geral com uma determinada qualidade e a preços acessíveis, aos quais se deverá ter acesso independentemente da localização geográfica e condições sociais, econômicas e as relativas a impedimentos físicos; encontrando-se compreendidos todos os serviços de telecomunicações independentemente da tecnologia (Argentina, 2010b, p. 73). [23] 0

De acordo com o plano argentino, o desenvolvimento das redes da próxima geração será baseado na criação de uma Rede Federal de Fibra Ótica, a ser gerenciada pela Empresa Argentina de Soluções Satelitais (AR-SAT), cujo acionista majoritário é o Ministério do Planejamento Federal, Investimento Público e Serviços. Também não há meta de velocidade mínima nem de penetração para essa infraestrutura, apenas a previsão de que a demanda por tráfego de dados em curto prazo ensejará velocidades de pelo menos 10 Mbps nas áreas de maior desenvolvimento da oferta e do consumo do serviço (Argentina, 2010b). 0

No que tange às redes locais, a principal iniciativa prevista no plano é a realocação das frequências liberadas com o fim das transmissões analógicas de TV para o provimento de banda larga móvel nas tecnologias 3G e LTE. 0

Antes do lançamento do Plano Argentina Conectada, o governo do país já havia lançado uma iniciativa específica para o atendimento da comunidade educacional. O programa Conectar Igualdad.com.ar reuniu um conjunto de ações para promover o uso da tecnologia digital na aprendizagem da rede pública de ensino, em especial o fornecimento de computadores a alunos e professores do ensino médio. A coordenação do plano e a integração com outras políticas, como o Conectar.Igualdad.com.ar, ficaram a cargo de um comitê (a Comissión de Planificación y Coordinación Estrategica del Plan Nacional de Telecomunicaciones Argentina Conectada), vinculado ao Ministério do Planejamento Federal, Investimento Público e Serviços. A ele foi dada a atribuição de elaborar propostas para a execução do plano, integrar os esforços dos vários agentes envolvidos e avaliar periodicamente o andamento e o resultado das medidas. O decreto determinou à comissão a realização de um levantamento das iniciativas em curso naquele momento relacionadas ao escopo do plano para uma avaliação de quais deveriam ser incorporadas a ele e sob que termos. 0

Em 2010, este comitê divulgou o plano de ação para o quinquênio 2011-2015 do plano Argentina Conectada. Nele, as diretrizes apresentadas no decreto ganharam metas mais concretas. A Rede Federal de Fibra Ótica deve ter como velocidade mínima (piso tecnologico) 10 Mbps e chegar a 1.700 localidades, cobrindo 97% da população do país. Os 3% restantes terão o acesso garantido por meio de satélite. Todas as escolas públicas devem estar conectadas até o fim do período. Duas mil antenas que permitem a conexão por satélite devem ser instaladas para atender escolas em áreas rurais, enquanto 11 mil antenas de TV Digital por satélite devem ser destinadas a órgãos públicos e instituições de ensino. Entre as iniciativas de acesso coletivo estão a implantação de 250 Pontos de Acesso ao Conhecimento e a multiplicação dos Pontos de Acesso Digital (Argentina, 2010b). 0

Já na Oceania, a Austrália optou por uma estratégia baseada em forte planejamento e comando estatal. Em abril de 2009, o governo anunciou a meta de atender 93% das residências com velocidade mínima de 100 megabits por segundo. Para atingir esse objetivo, anunciou a construção de uma infraestrutura nacional de fibra ótica (National Broadband Network), com a previsão de investimentos de US$ 36,5 bilhões. Quanto à população não atendida pela rede, a iniciativa também previu que o governo deveria assegurar o acesso à Internet com velocidade mínima de 12 megabits por segundo, utilizando plataformas sem fio terrestres e satélite (Berkman, 2010). 0

Uma empresa pública foi criada para implantar e explorar a rede nacional (National Broadband Network Co). Em 2010, o governo australiano anunciou que as áreas regionais teriam prioridades (Austrália, 2011). A infraestrutura será usada para a comercialização de dados no atacado e o modelo de regulação adotado para ela foi o de acesso aberto, com venda de capacidade de tráfego de dados a preços não discriminatórios e condições razoáveis. Uma das diretrizes do projeto é a busca pela oferta uniforme de preços para esses serviços em todas as regiões do país, de forma a não penalizar as áreas mais acessíveis (NBN Co, 2011). 0

A NBN Co celebrou um acordo com a incumbent do país, Telstra, para assumir a sua infraestrutura e contribuir com o processo de implantação da rede de fibra ótica. Isso inclui desde os cabos de cobre até os coaxiais e de fibra utilizados para a oferta de banda larga, bem como os dutos e canos que servem de suporte. A iniciativa também implicou a separação estrutural da incumbent, com a infraestrutura sendo assumida pela NBN Co e a oferta mantida pela nova Telstra. 0

O acordo definitivo pavimenta o caminho para que a NBN possa ter uma implantação mais eficiente e rápida, mais receitas, menos custos e menos sobreposição de infraestrutura. Isso significa a reutilização de infraestrutura, evitando a duplicação das redes e resultando em menos incômodo para as comunidades[24] (Conroy, 2012). 0

Após o fim da implantação da NBN, a lei que disciplina a iniciativa (National Broadband Network Companies Act 2011) prevê a venda da companhia para a iniciativa privada, estabelecendo um roteiro para a execução do repasse: o ministro das comunicações precisa declarar que a companhia atingiu o status de estar totalmente operacional (previsto para acontecer em 31 de dezembro de 2020); a comissão de produtividade do Congresso deve solicitar um relatório ao Ministério da Produtividade (Productivity Ministery); o documento deve ser apreciado pela Comissão de Propriedade da NBN Co, e o ministro das finanças emite um parecer de acordo com o início do processo de venda (Austrália, 2011a). 0

Para as áreas não cobertas pela rede, foi lançado em 2011 um serviço por satélite. Foi disponibilizado com velocidades de download de 6 megabits por segundo e de upload de um megabit por segundo. A NBN Co firmou acordo com sete provedores para utilizar a plataforma e oferecer o serviço aos cidadãos (Austrália, 2011a). 0

Bowles e Wilson (2011) afirmam que há várias questões não resolvidas no projeto australiano. A primeira é o modelo de acesso pleno a qualquer lugar e qualquer tempo (ubiquity), que vai além da instalação da rede de fibra ótica e passa pela cobertura efetiva do conjunto do território que a NBN promete atingir. Para esses autores: 0

[…] o design das soluções fixa-móvel e por satélite da NBN e como elas vão ser integradas à fibra permanece incerto. No entanto, se as soluções sem fio falharem no atendimento das preferências de qualidade e de velocidade dos consumidores, a assinatura de serviços 3G e outras formas de banda larga móvel ou serviços de satélite alternativos vão continuar. Satélite é geralmente o último recurso quando todos os demais falham. Enquanto a adesão à banda larga móvel sugere que o acesso pleno a qualquer hora e em qualquer lugar não é apenas uma função de não estar apto a se conectar por uma rede fixa; é uma escolha para garantir o acesso à banda larga em movimento, usando um conjunto de dispositivos que podem se conectar à Internet a qualquer hora, em qualquer lugar (Bowles e Wilson, 2011, p.8) [25]. 0

Outra preocupação dos autores é com a qualidade do serviço prestado a partir da NBN. Nesta perspectiva, eles trabalham com a noção de “qualidade” envolvendo uma série de fatores, tais como: taxas de upload, latência [26], o valor do tráfego de dados, a mobilidade e a ubiquidade. Eles afirmam que a velocidade de download é importante, mas que para promover uma inclusão efetiva dos cidadãos no mundo digital, a capacidade de upload também assume um papel central, pois está relacionada diretamente à capacidade dos usuários não apenas de receber informação, mas de difundi-la usando a Rede Mundial de Computadores: 0

Qualidade de banda larga não é apenas sobre velocidade de download ou sobre a capacidade de empurrar produtos e serviços ao consumidor em um canal de mão única. Mas está relacionada à capacidade de fazer conexões, de criar conteúdos e ideias de forma colaborativa, de compartilhar aplicativos, de sincronizar transmissões em tempo real para fazer negócios em uma cadeia produtiva global, de difundir inovações e estimular trocas em vias de mão dupla entre os vários nós de uma rede a qualquer hora [27] (Bowles e Wilson, 2011, p. 8). 0

Em outro caso estrangeiro, a Finlândia aprovou seu plano denominado National Plan of Action for Improving the Infrastructure of the Information Society em dezembro de 2008. O objetivo estabelecido foi assegurar a cidadãos e empresas o acesso aos serviços da sociedade da informação a partir da necessidade de cada usuário (Finlândia, 2008). O plano previu a oferta a todos os cidadãos, empresas e sedes de instituições públicas do acesso à banda larga com velocidade de pelo menos um megabit por segundo, até 2010. O índice foi considerado o mínimo necessário para garantir aos usuários a capacidade de desfrutar de serviços eletrônicos que usam a Internet como suporte, entre eles o carregamento e o envio de imagens, músicas e vídeos. 0

O texto classificou o acesso à banda larga como serviço universal e estabeleceu a obrigação às incumbents de provê-lo em dois anos a preços razoáveis, independentemente da plataforma ser fixa ou móvel. A autoridade reguladora do país (Ficora) ficou responsável por identificar em cada área os prestadores que desempenhariam o papel de incumbent e impor a eles as obrigações de provimento do serviço universal. Após a avaliação, 26 empresas foram enquadradas nessa categoria pela autoridade reguladora. A diretiva passou a vigorar em julho de 2010 (Koivisto, 2010). 0

O plano estabeleceu metas mais avançadas que foram previstas para ser alcançadas em 7 anos, isto é, em 2015. Redes de fibra ótica ou de cabo deveriam possibilitar a 99% das residências, escritórios e prédios da administração pública o acesso a uma conexão de pelo menos 100 megabits por segundo. Esta infraestrutura deveria fornecer o serviço diretamente ou estar a até dois quilômetros de cada uma das unidades habitacionais, de negócio ou de gestão pública, sendo a elas ligada por meio de outras soluções tecnológicas que assegurassem altíssimas velocidades. 0

Três estratégias são elencadas para atingir essas metas. A primeira é a melhoria da rede pública de telecomunicações, a segunda é a garantia de preços razoáveis para acesso ao serviço, e a terceira é o compromisso do Executivo de disponibilizar o investimento estatal necessário à consecução desses objetivos. A primeira foi colocada como responsabilidade dos operadores privados. 0

No documento também foi previsto que, se até 2015 essa infraestrutura não fosse viabilizada comercialmente, o Estado poderia assumir papel indutor com apoio financeiro nas áreas em que a rede ainda não estivesse plenamente implantada. O planejamento dessa atuação do Poder Público foi atribuído aos Conselhos Regionais (Regional Councils), sendo a decisão final uma prerrogativa do governo nacional. Os investimentos para o apoio à expansão da rede nessas áreas ainda não plenamente atendidas são financiados por recursos do governo federal, dos municípios e dos fundos da União Europeia e não podem ultrapassar 67% dos custos de implantação da infraestrutura. Se o montante ultrapassar um valor definido (66 milhões de euros), o excedente será recuperado para o Estado por meio da cobrança de uma taxa dos operadores de telecomunicações que oferecem o serviço de banda larga. Mas enfatizou-se no texto que a ajuda financeira seria destinada à aquisição de tecnologia e equipamentos para a oferta do serviço, cabendo aos cidadãos a contratação do serviço. A exceção são os programas de subsídio estabelecidos antes do plano para empreendimentos agrícolas e de turismo. 0

Para a banda larga móvel, o plano finlandês previu a realização de leilões para uso de faixas de espectro (Koivisto, 2010). Em 2009, o governo realizou leilões para a faixa de 2500-2690 MHz. Faixas adicionais na banda de 1800 MHz foram alocadas para os operadores móveis para o início das atividades na tecnologia 4G (União Europeia, 2010). 0

Segundo Koivisto (2010), as operadoras têm demonstrado resistência à rea­lização dos projetos em parceria com o governo, mesmo que neles elas sejam responsáveis por arcar com apenas 34% dos custos. Outro problema é o dimensionamento aquém do necessário quanto aos valores para a consecução dos projetos. No caso dos pilotos aprovados, a estimativa inicial era de que seriam necessários 200 milhões de euros, orçamento que saltou para 400 milhões de euros à medida que a implantação avançou. Outro desafio é o custo da contratação do serviço. 0

[…] as altas taxas de instalação parecem ser o principal obstáculo para a aceitação do serviço de fibra ótica na casa do cidadão (fiber-to-the-home). Na estrutura atual, a taxa de instalação geralmente depende da distância do equipamento do consumidor para o núcleo da rede. Isso põe os consumidores em uma situação desigual, com o custo para um consumidor podendo ser muitas vezes mais alto do que para outro[28] (Koivisto, 2010, p. 4). 0

Já no Reino Unido, o plano nacional (Digital Britain) foi lançado em 2009 após a proposta ter sido colocada em consulta pública e ter sido alvo de audiên­cias conduzidas pelo governo britânico. A ambição expressa foi a inserção do país como um dos líderes da sociedade do conhecimento, a ser concretizada em cinco objetivos (Reino Unido, 2009): 0

a) Modernizar e melhorar as infraestruturas fixas, móveis e de radiodifusão; 0

b) Promover um ambiente favorável ao investimento em tecnologias, aplicativos e serviços digitais; 0

c) Oferecer um conjunto de conteúdos de serviço público com qualidade, em especial as notícias; 0

d) Desenvolver as capacidades dos cidadãos para lidar com as tecnologias digitais em todos os níveis; e 0

e) Assegurar o acesso universal à banda larga, utilizando-a para ofertar mais serviços públicos com maior qualidade e mais eficiência. 0

 

O documento elenca um conjunto de obstáculos para a consecução desses objetivos, listando barreiras que apartam um contingente de pessoas do acesso à Internet em alta velocidade. O primeiro é o custo do serviço. A expectativa do governo britânico é que parte do problema seja resolvida com a redução progressiva de preços a partir da dinâmica de mercado. Mas um apoio é garantido por meio de um programa de subsídio para o qual foram reservadas 300 milhões de libras esterlinas. 0

O segundo é a capacidade de manejar as tecnologias digitais. O plano anuncia uma diretriz (National Plan for Digital Participation) para enfrentar o problema. Ela foi baseada em ações de cunho local e comunitário que combinam mobilização da população com iniciativas de capacitação e treinamento para qualificar a apropriação dos aparatos técnicos. O terceiro é a disponibilidade do acesso à banda larga para a população. Para superá-lo, o texto estabelece a meta de assegurar a todos os cidadãos um serviço com velocidade mínima de 2 megabits por segundo até 2012 por meio de plataformas fixas, móveis e por satélite. E define um compromisso de universalização do serviço (Universal Service Commitment), para o qual foram previstos 200 milhões de libras esterlinas entre recursos públicos e privados. 0

O documento estabelece também um programa (The Next Generation Final Third Project) de contribuição financeira estatal para possibilitar que um terço da população do país que hoje não é atendida pelo mercado possa desfrutar dos serviços ofertados pelas redes de nova geração (NGN), como fibra ótica. Para isso, o plano prevê a criação de um fundo (Next Generation Fund), alimentado por uma taxação dos acessos fixos em 0,50 libras por mês. A estimativa é que a arrecadação chegue de 150 a 175 milhões de libras esterlinas por ano (Berkman, 2010). 0

Em relação à infraestrutura móvel, o plano britânico definiu três objetivos: (1) realizar uma transição rápida para a próxima geração de banda larga móvel, (2) avançar em direção a uma cobertura universal do acesso à Internet na tecnologia 3G e nas suas sucessoras e (3) manter um mercado competitivo nessa plataforma. Um “Programa de Modernização do Espectro” (Spectrum Modernization Programme) foi criado para qualificar a gestão do espectro radioelétrico para a banda larga móvel. A meta é assegurar a oferta de conexões móveis com pelo menos 50 megabits por segundo nas áreas urbanas e 5 megabits por segundo nas áreas rurais. 0

O plano adota as propostas apresentadas no relatório de um especialista escolhido pelo governo para traçar as linhas de atuação no tema (que ficou conhecido como Independent Spectrum Broker Report), em especial três recomendações: realocar a faixa de 800 MHz liberada após o desligamento das transmissões analógicas; realizar um leilão para expansão do 3G com blocos de 10 MHz; liberalizar a exploração das faixas destinadas ao 2G pelos operadores. As licenças de 3G tiveram o tempo de duração alterado para indefinido, “de forma a prover segurança para os investimentos e um incentivo para a expansão rumo à universalização” (Reino Unido, 2009). 0

O plano ainda elenca um conjunto de medidas para o combate à violação de direitos autorais na Internet, que passa por obrigações dos provedores de identificar quem compartilha conteúdo de forma ilegal e pelo acionamento legal dessas pessoas. Quanto aos conteúdos, uma parte das iniciativas foi na direção das indústrias criativas do país, os serviços públicos de radiodifusão (em especial a BBC). 0

Burbridge & Maguire (2009) consideram vagas as metas e ações listadas no plano, sem definições concretas dos caminhos a seguir para atingir os objetivos propostos. Quando as metas são fixadas, elas são pouco ambiciosas. Os autores criticam diretamente a velocidade mínima estabelecida para oferta universal do serviço (2 megabits por segundo) e o volume de recursos previstos para investimentos estatais, os quais seriam insuficientes diante das soluções adotadas em outros países, conforme explicam: 0

[…] é importante dizer que essas velocidades não são ambiciosas dado que em várias partes do mundo já há velocidades médias na casa dos 50 Mbps. No entanto, alcançar qualquer coisa perto disso por meio das NGN, em geral utilizando fibra ótica, é um investimento caro. […] Enquanto o relatório vê os planos da British Telecom e da Virgin Media como uma clara evidência de que o mercado está se encarregando de parte deste investimento, isso traz um alerta de que o conjunto do volume de recursos necessário não está garantido [29] (Burbridge & Maguire, 2009). 0

Na França, a estratégia nacional foi implementada por meio de dois planos. O primeiro (France Numérique 2008-2010) teve caráter de curto prazo e visou dar um impulso ao desenvolvimento da tecnologia digital no país. Um balanço realizado pelo governo francês mostrou que 80% dos objetivos traçados foram alcançados. Entre os principais avanços, além do aumento e melhoria do acesso à Internet banda larga, está a chegada da quarta geração da Internet móvel, o 4G, lançado em junho de 2011, e que deve aumentar a velocidade de conexão em até 50 vezes. Outro ponto que merece destaque foi a criação de um Conselho Nacional responsável pela governança da tecnologia digital, fundado em 2011. 0

No final de 2011, o governo francês colocou em consulta pública a segunda edição de seu planejamento para o setor: o plano France Numérique 2012-2020. Durante três meses, cidadãos e sociedade civil organizada puderam contribuir por meio de sugestões enviadas pela Internet. O resultado foi um documento com 57 metas. A meta central é levar a Internet banda larga a todos os domicílios franceses até 2025, com melhoria da qualidade da banda larga fixa, impondo uma taxa mínima de 5 Mbit/s em todo o território, além de garantir uma banda larga de qualidade para aqueles que ainda não têm acesso, até o ano estipulado. Estima-se que pelo menos metade dos lares europeus com banda larga deverão atingir velocidades de 100 Mbit/s nessa mesma data. Outra ambição foi o uso difundido da tecnologia digital em 100% das empresas, incluindo as pequenas. 0

O país ainda encontra dificuldades para que a banda larga fixa esteja presente em todos os lares. Embora o serviço já seja utilizado por 21,5 milhões de assinantes, a França ainda está atrás de países como Japão, Alemanha, Suécia e Estados Unidos. Outro entrave significativo é o preço. Apesar de um programa governamental criado em 2009 que oferece o serviço de acesso à Internet a 35 euros, o valor ainda é alto para muitas famílias francesas. Em razão dessa realidade, o governo passou a oferecer a operadoras 900 milhões de euros em subsídio e também vai investir de 40 a 100 milhões de euros em um programa para ampliar a oferta de Internet via satélite. 0

Em relação às redes via espectro radioelétrico, também foram elencados como objetivos assegurar o desenvolvimento da banda larga móvel, por meio da liberação de frequências adicionais e o possível uso da faixa de espectro de 450 MHz. Mas, para alcançar essas metas, uma série de desafios ainda precisa ser enfrentada. E o principal deles ainda é a exclusão digital, que atinge principalmente pessoas pobres e/ou com alguma deficiência [30]. 0

Outra atuação do governo francês estipulada pelo plano France Numérique 2012-2020 foi a ampliação e intensificação dos esforços para que a ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers) seja internacionalizada e reforçar a atuação dos Estados em sua operação. A ICANN é responsável por administrar o DNS (Sistema de Nomes de Domínio), garantindo que um endereço IP seja único e permitindo assim que os usuários da Internet tenham acesso a todos os endereços válidos. Entretanto, seu papel ainda é muito limitado, sem responsabilidade por transações financeiras ou controle de conteúdo da rede, por exemplo. 0

Os avanços nos últimos 15 anos foram significativos, mas é importante ressaltar que a criação de políticas públicas eficientes ainda é fundamental para que a banda larga na França seja de qualidade, a um preço acessível e disponível a toda a população. 0

No Japão, o governo vem adotando desde a década de 1990 iniciativas para efetivar a consolidação da oferta de Internet em alta velocidade. Em 2006 foi lançada a estratégia U-Japan, voltada a promover o acesso aos cidadãos, gratuito ou pago, a qualquer hora e em qualquer lugar (ubiquity). Em 2010, outro plano (New Broadband Super Highway – Hikari no Michi) foi anunciado com medidas para enfrentar os desafios relativos à ampliação da infraestrutura de altíssima velocidade de forma a abarcar as parcelas ainda não atendidas. 0

A meta central do plano é disponibilizar a banda larga a todas as residências até 2015 (Japão, 2010). O documento reconhece a situação avançada do Japão na área, mas introduz a ambição de tornar o país um líder global no ambiente de tecnologias da informação e comunicação, elencando três eixos estratégicos de ação: 0

a) Promoção do desenvolvimento da infraestrutura de tecnologias da informação e da comunicação (TICs) em regiões onde ele não vem acontecendo; 0

b) Promoção de políticas pró-competição, incluindo a posição central das incumbents NTT leste e oeste; 0

c) Facilitação do uso das TICs por meio de reformas regulatórias. 0

 

No que se refere à primeira, a avaliação do plano japonês é de que a competição não será suficiente para fazer com que o serviço chegue a todos os cantos do país. Em razão disso, os governos nacional e das províncias são identificados como os responsáveis para complementar a ação do mercado com programas e apoio financeiro. No ano de lançamento do plano, a estimativa era de que 90% dos lares já eram cobertos com banda larga de alta velocidade. O desafio seria então alcançar os 10% restantes (Japão, 2010). O custo estimado da empreitada era de 1,5 trilhão de ienes (US$ 1,8 bilhão). Em áreas cuja fragilidade do atendimento coincidir com dificuldades geográficas de instalação da rede de fibra ótica, outras soluções como cabo e plataformas sem fio podem ser utilizadas. 0

O plano afirma a importância da inclusão do acesso à banda larga no rol de serviços universais. Considerada como serviço essencial, ele deveria estar disponível ao conjunto da população a preços razoáveis e baixos, que permitissem a contratação por todos os japoneses. No entanto, o documento recomenda a revisão do conceito de serviço universal, restrito à telefonia, para incluir também a Internet em alta velocidade. O texto também diz que isso deve ser feito quando houver expansão maior da disponibilidade das redes de banda larga. 0

Outro eixo é a promoção da competição. Nela, a abertura da rede da detentora de rede (incumbent) NTT[31] para outros competidores ofertarem os serviços de banda larga assume papel central. Com isso, segundo o plano, a expectativa é aumentar a diversidade e a qualidade da oferta de serviços associados à banda larga e reduzir o preço por meio da presença de mais competidores no mercado. Uma das ações previstas para isso é reduzir o custo da contratação da infraestrutura de fibra ótica das incumbents NTT Leste e Oeste. No entanto, o plano considera que o fomento à concorrência por meio desses instrumentos deve ir além do simples acesso e chegar às “camadas superiores” onde se dão outros serviços e aplicativos: 0

A importância dos mercados das camadas superiores e de dispositivos é crescente, e uma colaboração orgânica entre infraestrutura e aplicativos, como a que se dá na emergência de vários aplicativos em cima das redes de banda larga altamente desenvolvidas, é agora essencial nos mercados de informação e comunicação. Não apenas a camada da infraestrutura aberta, como convencionalmente se considera importante, mas também o ponto de vista de assegurar a abertura por dentre as camadas com o crescimento dos mercados das camadas superiores e de dispositivos está sendo levado em conta como algo relevante [32] (Japão, 2010, p. 4). 0

O documento recomenda a separação funcional das incumbents NTT Leste e Oeste para que a gestão dos elementos centrais da rede (bottleneck facilities) seja mais transparente e eficiente no atendimento aos diversos ofertantes de serviços sobre a infraestrutura das empresas. O processo deve garantir, segundo a indicação, uma separação efetiva das informações de administração das redes, de modo que não haja privilégio na relação entre os responsáveis pelos elementos centrais e os responsáveis pela oferta no varejo. 0

Para as redes móveis, o plano prevê a realocação de frequências por meio de leilões com rendas auferidas por meio da venda de cada faixa. No entanto, não são especificadas nem as faixas nem as tecnologias às quais elas serão destinadas. 0

Ao estudarem três regiões japonesas mal atendidas pelo acesso à Internet em alta velocidade – Hokkaido, Nagano e Mie – Arai e Naganuma (2010), apontam a desigualdade regional no acesso à banda larga (geographical digital divide) como um dos principais desafios das políticas públicas para assegurar o acesso ao serviço. Um dos fatores que contribuem para essa preocupação é a grande ocorrência de áreas montanhosas caracterizadas por baixa ocupação demográfica. Os baixos índices de acesso nessas regiões contrastam com os altíssimos indicadores da região central, em especial nas áreas em volta da capital Tóquio e das cidades de Osaka e Nagoya. Uma das táticas adotadas foi o repasse de recursos públicos na forma de subsídios para que operadoras de cabo atendessem a essas regiões com serviços de banda larga. Ao final, os autores chegam a três conclusões sobre as formas de combate à exclusão digital em áreas remotas: 0

Primeiro, a dissolução das diferenças regionais não pode ser atingida somente por serviços de Internet. É melhor construir infraestruturas de comunicação que integrem um conjunto mais amplo de serviços digitais, como os de televisão a cabo. Segundo, o apoio dos governos nacional e locais pode ter um papel fundamental na construção de redes integradas de comunicação. Terceiro, a oferta por operadores públicos é uma alternativa para as áreas que não são lucrativas para as empresas privadas. Nesses casos, alguns meios de apoio regional deveriam ser adotados, como sistemas de transferência de recursos orçamentários. Em geral, o desafio de acabar com a desigualdade regional no acesso à Internet deve ser enfrentado com um rol variado de políticas voltadas às regiões menos atendidas [33] (p. 23). 0

Por fim, o último país destacado neste capítulo é a Coreia do Sul. Líder mundial no setor, o país vem adotando o planejamento comandado pelo Estado e ações fundamentalmente operadas pelo mercado desde os anos 1990. Uma das primeiras estratégias no começo deste século foi aprovada em 2004 e recebeu o nome de IT 839. O nome faz referência às metas centrais de prover oito serviços, três infraestruturas e nove mecanismos de crescimento [34]. 0

O acesso a qualquer hora e em qualquer lugar (ubiquidade) foi um dos conceitos estruturadores da estratégia sul-coreana, especialmente em seu segundo momento a partir de 2006. Neste sentido, a banda larga móvel (utilizando a tecnologia WiBro) e a TV digital móvel (adotando o padrão DMB) foram identificados como serviços chave para ir além dos acessos fixos e fornecer possibilidades de conectividade dentro dessa concepção. “Com a U-IT839, a Coreia do Sul tinha a esperança de se tornar o primeiro país do mundo a criar uma sociedade genuinamente ubíqua” (Shin, 2011). 0

O plano também traz uma preocupação em transformar as TICs coreanas em padrões internacionais, o que se concretizou quando tecnologias coreanas foram escolhidas como padrão por organismos estrangeiros como o Instituto Europeu de Padrões de Telecomunicações (ESTI) (Coreia do Sul, 2006). Por meio dessa estratégia, o governo investiu mais de US$ 70 bilhões no desenvolvimento do setor de tecnologias da informação e da comunicação (Berkman, 2010). 0

Graças a essa e outras intervenções estatais, o país chegou a um estado de quase universalização do acesso à banda larga (com 94% dos lares atendidos em 2010) e alcançando o primeiro lugar nos rankings de oferta por domicílio e velocidade média (Berkman, 2010). Um dos fatores que contribuíram para esse rápido desenvolvimento foi a estrutura urbana fortemente condensada, com a concentração das residências em grandes e verticalizados prédios e conjuntos habitacionais. 0

A introdução de redes de alta velocidade foi outra razão. Elas estiveram no início da expansão da infraestrutura de oferta de Internet e o estímulo à instalação de fibra ótica no país fez parte dos sucessivos planos governamentais. Em relação à população, o consumo ampliado de bens como computadores também foi importante para a evolução do acesso à Internet na Coreia do Sul. Outro fator foi a formação do conjunto dos coreanos para lidar com as tecnologias da informação e da comunicação. O país é conhecido pela prioridade que confere à educação. Ela se adaptou à sociedade da informação e, mais uma vez a partir da iniciativa do Estado, respondeu positivamente aos diversos programas de capacitação (como o Ten Million People Internet Education Project, realizado no início dos anos 2000). 0

A partir da conquista desse cenário, o foco do planejamento comandado pelo Estado passou a ser o aumento da velocidade de conexão. Esse giro se expressa na mais recente estratégia nacional (GIGA Korea project). A meta principal é levar a todos os lares conexões fixas com velocidade mínima de um gigabit até 2013 e assegurar a oferta de banda larga móvel a taxas mínimas de 10 Mbps. 0

Uma das iniciativas no sentido de incrementar as velocidades foi a construção de uma rede de fibra ótica de abrangência nacional (Very High Speed Information Network). Para a implantação do projeto, o governo coreano gastou aproximadamente US$ 7 bilhões (Shin, 2011). Outra foi a Infraestrutura de Rede Coreana Nacional Inteligente (Korean National Grid Infrastructure). O objetivo foi promover redes que permitem coleta, armazenamento e compartilhamento de grandes quantidades de informação. 0

Para Ahn (2012), o quadro de uso intensivo e disseminado da banda larga traz consequências preocupantes que merecem atenção. Uma delas é o vício relacionado às tecnologias, em especial à Internet e aos jogos eletrônicos. Outra é a gestão dos conteúdos no que tange à violação de direitos autorais. E, por fim, após os grandes avanços na infraestrutura e na área de hardware, analistas avaliam que ainda é necessário o investimento na indústria de softwares para enfrentar os novos desafios pós-universalização do serviço: 0

Em suma, o governo coreano teve papel central na promoção do crescimento da banda larga. O governo iniciou e implementou de forma exitosa projetos e políticas. O sucesso da Coreia do Sul em TI foi possível por causa desse envolvimento ativo do governo. No entanto, até agora, a Coreia se concentrou somente no estabelecimento das infraestruturas. Fazendo isso, o governo falhou no esforço de verificar se esse movimento geraria efeitos colaterais. A força da Coreia sempre esteve nas redes e no hardware. Mas, a partir do momento em que o paradigma da indústria de tecnologia muda de hardware para software, o último se torna o ingrediente chave para o sucesso nos setores de telecomunicações [35] (Ahn, 2012, p. 8). 0

Shin (2011) também vê a necessidade de incorporar os fatores de uso da Internet nas políticas do governo coreano. O autor acredita que é necessário continuar incentivando a competição e a melhoria da oferta do acesso à banda larga, mas alerta para o risco do enfoque tecnicista e defende que é preciso dedicar atenção especial à forma como essa base está de fato atendendo às demandas da sociedade. 0

A falta de um entendimento geral e contextualizado no planejamento e modelagem de computadores pode levar a uma tecnologia intrusiva e a uma ênfase exacerbada na infraestrutura. O governo vai precisar colocar mais energia no diálogo com as forças sociais e na integração delas nos arranjos tecnológicos quando for implementar a banda larga como uma estratégia de desenvolvimento ao longo do tempo [36] (Ahn, 2012, p. 31).

Das políticas coreanas aos programas complementares norte-americanos e canadenses, as iniciativas estatais variam de foco e intensidade. Mas em todas elas há um entendimento sobre a importância do serviço e da responsabilidade do Estado na garantia do acesso a ele.

Considerações finais
Os objetivos do presente capítulo foram identificar o papel do Estado em relação à banda larga nas experiências internacionais de destaque, avaliar se estas conformam alguma identidade e identificar se elas emanam um modelo a ser adotado em outros países. Após a análise dos casos apresentados, é possível concluir que o desenvolvimento da banda larga vem tendo no Estado um agente impulsionador fundamental. É sob o comando do ente estatal que os planos e estratégias dão coesão à miríade de agentes econômicos ao fixar objetivos e estabelecer um planejamento que articula as diversas ações para enfrentar os desafios e obstáculos identificados a partir de cada realidade particular. 0

Essa participação se dá principalmente por meio do exercício de duas funções básicas, de regulador e promotor. Na primeira função a participação ocorre com a definição do caráter dos serviços e de sua relevância, o que pode ser visto nas diversas iniciativas de classificação da banda larga como serviço universal, como nos casos finlandês e japonês. Outra frente é o estabelecimento dos parâmetros de funcionamento do mercado de modo a buscar a correção de falhas e de abusos por grupos com grande poder de mercado e de promover a competição, em especial pela adoção da regulação de acesso aberto, como verificado em quase todos os casos, e da separação funcional ou estrutural, determinada no Reino Unido e no Japão, por exemplo. Na segunda função, de promotor, a presença dos governos ocorre por meio dos diversos programas de auxílio financeiro visando a ampliação da oferta de banda larga, o que varia quanto ao volume de recursos, desde cifras mais modestas como no caso canadense, até recursos mais robustos como nos casos australiano e sul-coreano. No geral, apesar desses volumes distintos, são mantidas lógicas semelhantes na maioria das nações pesquisadas. Em determinadas experiências, as estratégias preveem a criação de fundos específicos para operar o repasse de recursos públicos, como pode ser visto no plano nacional dos Estados Unidos e no Reino Unido. A ocorrência mais frequente é a de subsídios para fomentar a oferta pelo mercado, ou a construção de infraestruturas que depois serão assumidas por entes empresariais, como no caso da Austrália. Tais iniciativas evidenciam um modelo limitado de favorecimento estatal da oferta de finalidade comercial, uma vez que repassa recursos públicos para uma modalidade de serviço que responde à lógica do consumo e não da garantia dos direitos da população. 0

As políticas de promoção também envolvem outras modalidades, como as de fomento às indústrias de conteúdos digitais (como é o exemplo do Reino Unido) ou as de estímulo à inovação (presentes na Coreia do Sul). Também podem ser incluídos neste grupo os diversos projetos de capacitação da população, como forma de reduzir resistências à apropriação dessas tecnologias, a exemplo dos Estados Unidos e Argentina. 0

Por fim, embora em menor proporção, há experiências nas quais o Estado assume a função de proprietário da infraestrutura. Esta foi a solução para interligar um vasto território como a Austrália, a partir de um forte financiamento, embora com a previsão de após a conclusão da instalação repassar a rede pronta à iniciativa privada. Uma vez que os investimentos serão públicos, o repasse à iniciativa privada de um patrimônio central para a inserção da nação na nova etapa do capitalismo e de atendimento a demandas da população por cultura e informação contraria a lógica de sua implementação. No caso argentino, o governo pretende manter a Rede Nacional de Fibra Ótica e operá-la por meio de uma empresa estatal. 0

Quanto a uma possível identidade entre os modelos, pode-se perceber algumas características predominantes: 0

a) O salto na evolução da oferta do serviço depende da ação do Estado em assumir o papel de liderança nesse esforço; 0

b) O modelo de planejamento se baseia principalmente no estabelecimento de metas de cobertura e velocidade; 0

c) A ampliação da participação das redes da próxima geração (NGN) na infraestrutura de banda larga e o aumento progressivo das velocidades de conexão estão entre os objetivos centrais dos mais recentes planos e estratégias; 0

d) Os países mais próximos da universalização do serviço, como Japão e Coreia do Sul, migram da preocupação com a cobertura para aquela relativa ao acesso em qualquer lugar e a qualquer hora (ubiquidade), para o qual as altas taxas de transmissão de dados das redes móveis assumem papel central; 0

e) As políticas pró-competição são o eixo estratégico de organização dos mercados e da ampliação e melhoria da oferta dos serviços; 0

f) As medidas regulatórias principais têm o sentido de garantir o acesso à infraestrutura das incumbents aos entrantes; 0

g) Os governos assumem que a dinâmica de mercado não será suficiente para universalizar o serviço, por isso financiam o desenvolvimento da infraestrutura a ser construída por eles ou pelas operadoras, para chegar às pessoas que não serão atendidas pelo mercado; 0

h) Na maioria dos países o enfrentamento da exclusão digital está centrado na disponibilidade do serviço aos cidadãos, enquanto o acesso efetivo a ele – entendido como a condição financeira do usuário de pagar por ele – é visto como consequência; assim, o obstáculo do custo do serviço não é visto como barreira a ser vencida por subsídios diretos aos usuários; 0

i) As iniciativas de formação e capacitação para navegar na Internet e usar os serviços que ela proporciona são medidas complementares necessárias para que a universalização se concretize, uma vez que a oferta chegará a cidadãos que não se apropriaram plenamente dessas tecnologias. 0

 

Há abordagens com enfoque de atendimento de parcelas específicas da população, em especial aquelas que não têm dinheiro para pagar pelo acesso à banda larga, como é o caso do Canadá, mas em geral os planos nacionais estabelecem objetivo de atendimento universal ou quase universal. Uma ponderação necessária é o fato de tais metas estarem calcadas no acesso por domicílio, que não abrange o conjunto de pessoas de um determinado país. Embora seja compreensível que o esforço de universalização está relacionado ao alcance de todas as residências, a parcela da população sem teto também precisa ser considerada por uma política que trabalha o acesso como algo a ser assegurado a todos os cidadãos. 0

Outra diferença percebida foi quanto ao escopo dos planos e estratégias nacionais. Boa parte está focada no estabelecimento das metas de cobertura e velocidade e nas medidas de desenvolvimento da infraestrutura, como é o caso de Argentina, Canadá e Finlândia. Já outros são mais abrangentes e trabalham também ações para o desenvolvimento de conteúdos digitais, cujo melhor exemplo é o Reino Unido, ou da indústria de TICs, como é o caso da Coreia do Sul. 0

A partir das análises, acredita-se que não há uma experiência a ser adotada como modelo único e completo, mas que é válido coletar em cada uma delas iniciativas importantes para o pleno desenvolvimento da banda larga em um determinado país. Uma estratégia nacional precisa ser fortemente liderada pelo Estado; adotar o acesso às tecnologias da informação e da comunicação como um direito; definir objetivos amplos de plena fruição das TICs e de desenvolvimento das capacidades da população nos ambientes digitais que atendam às diversas demandas dos variados grupos da sociedade; ampliar ou construir as plataformas pelas quais serão ofertados os serviços de forma a garantir acesso universal em iguais condições a todos os cidadãos; modelar o mercado de modo a intensificar a competição e combater a concentração de propriedade, bem como a ação abusiva de grupos com poder significativo de mercado; e investir na pesquisa e no desenvolvimento de tecnologia como forma de inserção nos novos nichos econômicos da atual fase do capitalismo. 0

Referências

AHN, Jungmihn Jamie. Broadband policy in South Korea: the effect of government regulation on internet proliferation. Texto apresentado no Encontro Anual do Pacific Telecommunications Council. Honolulu, 2012.

ARAI, Yoshio; NAGANUMA, Sae. The geographical digital divide in broadband access and governmental policies in Japan: three case studies. Networks and Communication Studies, Netcom, 24 (1-2), p. 7-26, 2010.

ARGENTINA. Decreto 1552. Créase el Plan Nacional de Telecomunicaciones Argentina Conectada. Publicado em 28 de outubro de 2010.

ARGENTINA. Planificación Estrategica Plan Nacional de Telecomunicaciones Argentina Conectada. Buenos Aires: Ministerio de Planificación Federal, Inversión Pública y Servicios, Comisión de Planificación y Coordinación Estratégica del Plan Nacional de Telecomunicaciones “Argentina Conectada”, 2010b.

AUSTRÁLIA. National Broadband Network Companies Act 2011, 2011a.

AUSTRÁLIA. National Broadband Network: Progress update August 2011. 2011.

BERKMAN. Center for Internet and Society. Next Generation Connectivity: a review of broadband Internet transitions and policy from around the world – Final Report. Cambridge: Harvard University, 2010.

BOWLES, Marcus; WILSON, Paul. Appraising the importance of the National Broadband Network in Australia’s race to compete in the Digital Economy. Australian Quarterly, 2(1), 2011.

BURBRIDGE, Carolyn; MAGUIRE, Graeme. Digital Britain Interin Report: a step in the right direction? 2009. Disponível em: <http://www.twobirds.com/English/News/Articles/Pages/Digital_Britain_Interim_Report_180609.Aspx>. Acesso em: 10 mai. 2012.

CONROY, Hon Stephen. Definitive Agreements between NBN Co and Telstra come into force. Disponível em: <http://www.minister.dbcde.gov.au/media/media_releases/2012/026>. Acesso em: 5 mai. 2012.

COREIA DO SUL. IT 839 Strategy. Ministry of Information and Communication, 2006. Disponível em <http://www.cynosura.org/download/kiita_conf_document.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2012.

CRTC, Canadian Radio-Television and Telecommunications Comission. Telecom Regulatory Policy 2011-291: obligation to serve and other mathers. 2011a. Disponível em <http://www.crtc.gc.ca/eng/archive/2011/2011-291.htm>. Acesso em: 22 mar. 2012.

CRTC. Canadian Radio-Television and Telecommunications Comission. Broadband Report. Novembro, 2011. Disponível em <http://www.crtc.gc.ca/eng/publications/reports/broadband/bbreport1111.htm>. Acesso em: 10 abr. 2012.

DANTAS, Marcos. A lógica do capital-informação. Rio de Janeiro: Contraponto, 2002.

FCC. Federal Communications Commission. Connecting America: The National Broadband Plan, 2010. Disponível em <http://www.broadband.gov>. Acesso em: 3 mar. 2012.

FINLÂNDIA. Government Resolution: National Plan of Action for improving the infrastructure of the information society. 4 de dezembro de 2008. Disponível em <http://www.lvm.fi/c/document_library/get_file?folderId=121398&name=DLFE-4939.pdf>. Acesso em: 8 mar. 2012.

FINLÂNDIA. Ministério dos Transportes e Comunicações da Finlândia. Decreto 732, sobre a taxa mínima de velocidade da Internet como serviço universal, 2009.

FREE PRESS. The national broadband plan: unanswered questions and next steps. Disponível em <http://www.freepress.net/files/National-Broadband-Plan_Unanswered-Questions-and-Next-Steps.pdf>. Acesso em: 3 mai. 2012.

HOWARD, Philip N.; BUSCH, Laura; SHEETS, Penelope. Comparing Digital Divides: Internet Access and Social Inequality in Canada and the United States. Canadian Journal of Communication, 35, p. 109-128, 2010.

JAMBEIRO, Othon. Regulando a TV. Salvador: Edufba, 2000.

JAPÃO. Ministry of Internal Affairs and Communications. Toward Realization of the “New Broadband Super Highway (Hikari no Michi) Plan Final Report. Tóquio: ICT Policy Task Force for a Global Era, 2010. Disponível em <http://www.soumu.go.jp/main_sosiki/joho_tsusin/eng/councilreport/pdf/101130_2.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2012.

KOIVISTO, Matti. Finnish National Broadband Action Plan and Its Current Implementation. 2010. Disponível em <http://www.wseas.us/e-library/conferences/2010/Tenerife/CSCC/CSCC-39.pdf>. Acesso em 13 de março de 2012.

McKEOWN, Lawrence; BROCCA, Josie; VEENHOF, Ben. Connecting rural Canadians: a review of policy, measurement and outcomes. Trabalho apresentado na 2010 TPRC: The 38th Research Conference on Communication, Information and Internet Policy. George Mason University. U.S.A., October 2, 2010.

NBN Co. Annual Report. 2011. Disponível em <http://www.nbnco.com.au/assets/documents/nbnco-annual-report-2011.pdf>. Acesso em: 7 mar. 2012.

PICOT, Arnold; WERNICK, Christian. The role of government in broadband access. Telecommunications Policy, 31 (10-11), p. 660-674, 2007.

QIANG, Christine Zhen-Wei. Broadband infrastructure investment in stimulus packages: relevance for developing countries. Info, 12 (2), p. 41-56, 2010.

SHIN, Dong Hee. Broadband Revisited in Korea: Tracing Ecological Changes over the Decade. TPRC 2011. Disponível em <http://ssrn.com/abstract=1985753>. Acesso: 4 abr. 2012.

UIT. União Internacional de Telecomunicações. Best Practice Guidelines on Innovative Infrastructure Sharing Strategies to Promote Affordable Access for All, 2008.

UNIÃO EUROPEIA. 15th Progress Report on the Single European Electronic Communications Market – 2009, 2010.

VERHULST, Steefan G. Mapping digital media: net neutrality and the media. Open Society Foundation, 2011.

 


[1]                        A concentração já era um fenômeno das indústrias de mídia, mas se acentuou com a digitalização. Grupos passaram a ter televisão por assinatura e operadoras de telefonia e de provimento de acesso à Internet, pelo fato de cada um desses serviços poder ser ofertado pelas mais diversas plataformas, como cabo, satélite e ADSL. No Brasil, o caso da mexicana Telmex é o maior exemplo. Hoje ela controla a operadora de telefonia Embratel, pela qual oferece telefonia e TV por assinatura. Também detém participação majoritária na NET, pela qual provê telefonia, TV por assinatura e acesso à Internet. A empresa Claro também faz parte do grupo e vende serviços de telefonia celular e acesso à rede mundial de computadores.

[2]                       Como em caráter privado, por exemplo, ou o acesso a conteúdos audiovisuais via Netflix, em caráter aberto, embora pago.

[3]                       Enquanto as políticas de massificação visam ampliar o número de pessoas ou residências com acesso à banda larga, as ações com foco universal têm o objetivo de garantir que o serviço seja levado a todos os cidadãos de uma determinada área geográfica.

[4]                       Financiado por empresários que necessitavam deste serviço para reduzir o tempo da comercialização de seus bens e produtos.

[5]                 Que nos EUA se manifestou com a quebra do monopólio da AT&T em diversas empresas regionais, as chamadas Baby Bells.

[6]                      Tradução própria do original em inglês: “Generally, governments are able to influence markets either on the demand or on the supply-side. The latter can be classified into two broad subcategories, namely policies aiming at assisting the build-up of broadband networks on the one hand and policies aimed at enhancing competition through the imposition of regulatory obligations on the other hand. Especially in a field with a high economic and socio-political impact such as broadband, governments use the whole variety of such measures to increase market penetration and promote competitiveness”.

[7]                       Exemplos de todas essas medidas serão apresentados na descrição das políticas adotadas pelos países analisados na próxima seção do texto.

[8]                       As políticas anticíclicas são aquelas que, em momentos de recessão e de crise, estimulam a atividade econômica. Nelas, o Estado investe para que as empresas possam produzir mais e a população consuma, aumentando a capacidade de recuperação do setor produtivo.

[9]                      Tradução própria do original em inglês: “Government spending in broadband infrastructure is expected to have impact on long-run productive activities in other sectors of the economy. Network investments are typical examples of productive government investment because of the positive externalities they provide. ICT especially is a General Purpose Technology that facilitates great leaps of innovation and results in substantial restructuring of the economy. It is proven to contribute to virtually every sector in the economy through productivity gains”.

[10]                     Que é realizada junto às detentoras de redes por pequenos provedores.

[11]                      Dispositivos usados para receber o sinal de TV Digital e que também podem ser usados para acessar a Internet.

[12]                     Tradução própria do original em inglês: “Government also finances a large number of infrastructure projects. Ensuring these assets and resources are located and managed efficiently can encourage deployment of broadband infrastructure and lower barriers to competitive entry”.

[13]                     Faixas não licenciadas são aquelas que para ser usadas não precisam de autorização do governo, por exemplo as utilizadas para comunicação por rádio amador.

[14]                     Muitas empresas reclamam que autoridades públicas exigem muitas licenças para a implantação dos dutos. O objetivo do plano é diminuir a burocracia e simplificar a construção das infraestruturas.

[15]                     Criado para garantir a oferta do serviço de telefonia a todos os estadunidenses, em especial àqueles não atendidos inicialmente pelas incumbents.

[16]                    Tradução própria do original em inglês: [The Congress] “could make available public funds of a few billion dollars per year over two to three years”.

[17]                     Como aqueles de pagamento de uma parte dos custos de contratação de serviços de Internet.

[18]                     Que encabeça o movimento pela reforma da mídia no país e diversas campanhas relacionadas à democratização da comunicação: <http://www.freepress.net>.

[19]                    Tradução própria do original em inglês: “The program encouraged within area competition among applicants (to lower government contributions) and stipulated completion of the proposed infrastructure within the program timeframe. It was open to Internet Service Providers, not-for-profit organizations and cooperatives, or other consortia; all could bid on multiple projects in multiple areas. Aside from ownership conditions, applicants are required to demonstrate that their technology solution meets the definition of broadband (Table 2), to build the infrastructure, and then to operate the network”.

[20]                   Tradução própria do original em inglês: “The Commission considers that the deployment of broadband Internet access services, including deployment in rural and remote areas, should continue to rely on market forces and targeted government funding, an approach that encourages public/private partnerships. […] Canadian Internet needs, in all regions of Canada, have changed and continue to change. Canadians are demanding higher speeds, higher data transfer capacity, and flexibility in the use of their fixed, mobile, and handheld devices”.

[21]                     Incumbent é a operadora que possui a maior rede instalada no país, na maioria dos casos por ter sido a empresa estatal que atuava em monopólio. Ela possui obrigações especiais de universalizar o acesso a serviços de telecomunicações (em geral telefonia e banda larga onde esta última for considerada serviço universal). Em geral, a operadora também é submetida a imposições de acesso à sua rede de forma não discriminatória por seus concorrentes como forma de estimular a competição no mercado.

[22]                    Tradução própria do original em inglês: “The Commission considers that local competition implementation costs represent a disproportionate burden on very small ILECs, given the small number of network access services (NAS) they serve. Consequently, the Commission determines that small ILECs serving 3,000 NAS or fewer will have their local competition implementation costs reimbursed, over a period of three years, by the new entrant(s)”.

[23]                     Tradução livre do original em espanhol: “el conjunto de servicios y programas, variables en el tiempo, definidos por el Estado Nacional, destinados a la población en general con una determinada calidad y a precios accesibles, a los que se deberá tener acceso con independencia de su localización geográfica y sus condiciones sociales, económicas y las referidas a impedimentos físicos; encontrándose comprendidos todos los servicios de telecomunicaciones sin importar la tecnología”.

[24]                    Tradução do original em inglês: “The Definitive Agreements pave the way for the NBN to be built more efficiently and with faster take-up, higher revenues, lower and more reliable costs and less use of overhead cabling. This will mean the reuse of existing infrastructure, avoiding infrastructure duplication and resulting in less disruption for communities”.

[25]                    Tradução própria do original em inglês: “The design of the proposed fixed wireless and satellite solutions within the NBN and how they would integrate with the fibre network remained unclear. Nevertheless, if the fixed wireless solution fails to match consumer quality preferences and speeds, subscriptions to 3G and other forms of mobile broadband or alternate satellite services will continue. [...] Satellite is often a last resort failing all other options. While mobile broadband adoption rates suggest that ubiquitousness is not just a function of not being able to access a fixed connection; it is a choice made to ensure access to broadband on the move, using a range of devices that can connect to the Internet anytime, anywhere”.

[26]                     A latência está relacionada ao tempo que os pacotes de dados levam para chegar a um terminal de um usuário.

[27]                     Tradução própria do original em inglês: “Broadband quality is no longer just about downloading speed or the capacity to push products and services down a one-way channel to a consumer. It is about the capacity to make connections, to collaboratively create content and ideas, to share applications, to synchronise real-time data transmission to businesses across a global supply chain, to diffuse innovations, and to stimulate two-way exchanges between multiple nodes in a network anytime”.

[28]                    Tradução própria do original em inglês: “The high installation fees seem to be the main obstacle for fiber to the home service acceptance. In the current structure the installation fee typically depends on the distance from the customer premises to the core network. This put customers to an unequal situation and the cost for one customer can be many times higher than for another one”.

[29]                    Tradução própria do original em inglês: “It should be said that even these speeds are hardly ambitious given that many parts of the world already have average speeds of around 50 Mbps. However, achieving anything nearing these sorts of speeds through the establishment of NGA networks, typically utilising fibre optics, is an expensive investment. While the Report sees plans from BT and Virgin Media as clear evidence that the market is delivering on some of the required investment, it warns that such investment is not guaranteed”.

[30]                    Caberá ao governo também fomentar políticas para que a União Europeia tenha modelos unificados de governança da Internet. É importante ainda que haja uma sinergia entre as várias organizações e fóruns internacionais com o Estado francês para que seja fomentada uma ampla discussão de temas que ultrapassem a simples gestão de recursos, como é o caso da segurança cibernética e da proteção de dados pessoais. A generalização do uso do IPv6 até 2015 também continua sendo desafio e meta.

[31]                     A NTT é a incumbent japonesa. Incumbent é a operadora que possui a maior rede instalada no país, na maioria dos casos por ter sido a empresa estatal que atuava em monopólio. Ela possui obrigações especiais de universalizar o acesso a serviços de telecomunicações (em geral telefonia e banda larga, onde esta última for considerada um serviço universal). Em geral, a operadora também é submetida a imposições de acesso à sua rede de maneira não discriminatória por seus concorrentes como forma de estimular a competição no mercado.

[32]                    Tradução própria do original em inglês: “The importance of the upper layer markets and device layer markets is increasing, and hence an organic collaboration between infrastructure and service applications, such that the emergence of various applications over the highly developed broadband infrastructure can facilitate further advancement of the infrastructure, etc., is now essential in developing information and communications markets. Not only the open network layer, as conventionally considered important, but also the point of view of securing openness between layers with the growth/development of upper layer markets and device layer markets taken onto account is becoming important”.

[33]                    Tradução própria do original em inglês: “First, the dissolution of the geographical digital divide cannot be achieved solely by means of simple Internet services. It is better to construct communication infrastructures that integrate manifold digital services, such as cable television services. Second, support by the national and local governments can play a key role in the construction of integrated communication networks. Third, public businesses are an effective option in remote areas that would be unprofitable for private services providers. In such cases, some means of regional support for public businesses should be used, such as budget-transfer schemes. In general, the challenge of the geographical digital divide should be tackled with a broad set of support policies for less-favoured regions”.

[34]                     Entre os serviços foram listados: (1) banda larga móvel (WiBro), (2) TV Digital terrestre fixa e móvel/portátil (utilizando a tecnologia DMB) e (3) Voz sobre IP, entre outros. Os projetos de infraestrutura definidos envolveram: (1) a criação de uma rede de banda larga convergente (Broadband Convergence Network) que atenderia a 20 milhões de coreanos, (2) uma rede ubíqua (U-Sendor Network) e (3) o modelo de protocolo IPv6. Os mecanismos de crescimento elencados incluíram a implantação de banda larga móvel usando a tecnologia 4G, de dispositivos para receber sinais de TV e possibilitar o acesso à Internet, conteúdos digitais (com destaque para os jogos) e robótica inteligente.

[35]                    Tradução do original em inglês: “In sum, the Korean government has played a pivotal role in promoting broadband growth. The government successfully initiated and carried out many projects and policies. Korea’s success in IT has been possible because of this active involvement of the government. However, up until now, Korea only concentrated on establishing external facilities and network deployment. In doing so, the government failed to contemplate whether there would be any side effects. Korea’s strengths have always been facilities-based service or hardware. But, as the competitiveness paradigm in the technology industry shifts from hardware to software, software has become the key ingredient to success in the telecommunications sectors”.

[36]                    Tradução do original em inglês: “The lack of a general and contextualized understanding in the planning and design of computing can lead to intrusive technology and an over-emphasis on infrastructure. Governments will need to put more effort into leveraging social forces, and integrating those forces into technological arrangements when implementing broadband as a strategy for advanced development over time”.

Compartilhe